facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 22 de Maio de 2024
22 de Maio de 2024

29 de Dezembro de 2010, 08h:55 - A | A

VARIEDADES /

Financiar carro fica mais caro; juros sobem 30%



GLOBO

Neste final de ano, muita gente está correndo para a concessionária. Quer um carro novo. O consumidor não tem reclamado do preço, e sim da taxa de juros do financiamento.

>> Clique aqui e participe do grupo de WhatsApp 

Um casal planejou trocar de carro neste fim de ano. Encontrou o modelo e a cor, mas quando foi checar o financiamento... “Visivelmente a taxa de juros subiu de forma considerável. Isso está explícito”, comentou o contador Carlos Bueno.

As taxas de juros subiram, em média, 30% com as medidas do Banco Central para reduzir a quantidade de dinheiro disponível para empréstimo. O prazo para pagamento ficou mais curto. Um financiamento em 72 meses já não existe mais. O prazo máximo oferecido nas concessionárias é de 60 parcelas. Mesmo assim, o cliente precisa dar de entrada, pelo menos, 20% do valor do carro para tentar diminuir a taxa de juros.

Foi o que fez o representante comercial Antônio Rocha. Ele pagou R$ 5 mil e financiou o restante. “A vendedora falou: ‘Dando a entrada, facilita mais. A gente consegue uma taxa melhor para você’. Dei entrada e consegui uma taxa mais acessível”, conta.

O impacto maior foi no bolso de quem pretende financiar 100% e precisa esticar as prestações.

“Hoje o banco privado pede entrada, dependendo da situação do cadastro. Já a montadora oferece crédito com a taxa bem mais em conta para determinados produtos”, explica o supervisor de vendas Carlos Martins.

Veja o exemplo de carro popular no valor de R$ 32,8 mil. Em novembro, no plano de 60 meses, a prestação era de R$ 811 e agora subiu para R$ 920. Ao final do empréstimo, o carro fica R$ 6,5 mil mais caro.

“Poderia andar de bicicleta, andar um pouco mais a pé, mas prefiro carro”, brinca um senhor.

O jeito é pesquisar. O aposentado Paulo Roberto Pereira e o filho conseguiram uma espécie de promoção relâmpago de um banco, que ofereceu uma taxa de juros mais em conta. “No máximo, em dois dias a taxa não era essa mais. Era outra e ia subir mais”, diz.

 

Comente esta notícia