Cuiabá, 27 de Novembro de 2022
logo

26 de Setembro de 2022, 16h:09 - A | A

VARIEDADES / "SAÚDE DO CÉREBRO"

Estudo polêmico sugere que consumo moderado de álcool pode reduzir risco de demências

Cientistas australianos afirmam que algumas doses de bebidas alcoólicas trazem benefícios à saúde do cérebro

ELINE SANDES
METRÓPOLES



O hábito de ingerir bebidas alcoólicas diariamente pode diminuir a chances de apresentar demências em quase 40%, sugerem pesquisadores australianos em trabalho publicado na última quinta-feira (22/9), na revista Addiction. Os autores fizeram uma revisão de 15 estudos com informações sobre o consumo de álcool e as taxas de demência de um grupo equivalente a 24 mil indivíduos.

Os participantes – de seis continentes diferentes – haviam preenchido questionários informando sobre o consumo diário de álcool. Nenhum deles apresentava demência no momento inicial dos estudos e os registros permitiram que as condições de saúde deles fossem observadas por cerca de 40 anos.

>> Clique aqui e participe do grupo de WhatsApp 

Os estudiosos dividiram as informações dos voluntários em cinco grupos de acordo com o consumo diário deles de álcool: abstêmio, ocasional (que ingeriam menos de 1,3 g), leve a moderado (1,3 g até 25 g), moderado a pesado (25 g a 45 g), e pesado (mais de 45 g diárias). Em média, 470 ml de cerveja (dois copos americanos e meio) contém cerca de 16 gramas de etanol. Em comparação, uma taça de vinho contém aproximadamente 18 g da substância.

“Beber até 40 g diariamente se mostrou benéfico à diminuição do risco de demência comparado a uma vida abstêmia”, indicou a pesquisadora Louise Mewton, uma das responsáveis pelo trabalho. “Os resultados são consistentes com estudos prévios sobre o assunto, que também apontaram como tanto o consumo excessivo quanto a falta de álcool parecem estar associados ao maior risco de demência”, acrescentou.

Risco amenizado
Os grupos de consumo leve a moderado e moderado a pesado foram os que menos apresentaram doenças como o Alzheimer, em comparação aos abstêmios. Indivíduos com consumo leve a moderado apresentaram 22% menos chance de desenvolver a condição do que quem não bebia, e de moderado a pesado, 38%. Os indivíduos com consumo alto também mostraram vantagem, reduzindo as chances em 19%. Leia mais em Metrópoles

Comente esta notícia