facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 20 de Maio de 2024
20 de Maio de 2024

29 de Setembro de 2010, 22h:56 - A | A

POLÍTICA /

Viúva e filhos de funcionário morto ficam sem assistância da Bimetal



BRUNO GARCIA
DA REDAÇÃO

O candidato à reeleição Silval Barbosa (PMDB) partiu para o ataque hoje, em seu programa gratuito de TV, e apresentou um episódio envolvendo a morte de Osvaldo Gonçalves da Costa, de 40 anos, enquanto trabalhava na montagem de uma torre de telefonia para a empresa Bimetal, de propriedade de seu adversário Mauro Mendes (PSB).

Segundo o filme apresentado no programa, o funcionário morreu no dia 21 de dezembro de 2009, na cidade de Monte Alegre, no Piauí, deixando a mulher e três filhos. O vídeo diz que a causa da morte foi uma descarga elétrica, e que a família só soube da morte por um policial, três dias após o acidente.

O vídeo afirma que o delegado Aguinaldo dos Santos Moraes, responsável pelo inquérito policial, apontou indícios de "descaso da empresa Bimetal, montadora da torre", pois parte da fiação na torre estava "exposta e desencapada". "Como a vítima encostou num desses fios, e como estava descalço e sem luvas, não resistiu", diz o locutor do programa.

Em depoimento usado no horário gratuito, a viúva Ivanete Lima Ferreira Costa reclama que a Bimetal nunca se manifestou para ajudá-la. "Eu me sinto completamente abandonada", disse.

Ela reclama que não foi possível velar o corpo do marido, em função do modo pela qual ele foi transportado de Piauí a Cuiabá. "Nós fomos atrás deles, não arrumaram avião para trazer, eles falaram que não tinha como. O corpo chegou num carro velho, inchado. Da forma que chegou, pra mim ele foi jogado", disse.

A viúva reclama ainda que os representantes da Bimetal não assistiram a família. "Eles mesmos não me ajudaram em nada, não deram dinheiro, não pagaram enterro. Disseram simplesmente que sentiam muito, nunca vieram trazer um leite para meus filhos, nunca ligaram para saber como eu estou, as crianças estão. Simplesmente desapareceram", afirmou, no vídeo.

Sete mortes

O locutor do programa diz que, segundo o processo que corre contra a Bimetal, Osvaldo já havia sido funcionário da empresa por duas vezes. "Em 2009 veio um novo trabalho, mas a carteira só foi assinada depois de Osvaldo morto, e com data retroativa, com claro objetivo de fraudar a legislação trabalhista", diz.

Segundo a denúncia, a Bimetal teria utilizado uma empresa de "fachada" para fraudar o registro irregular do funcionário. "Segundo as diligencias, a empresa sequer existe no endereço fornecido", diz.

O vídeo com o ataque de Silval ainda afirma que sete funcionários da Bimetal morreram em 2009, só no Piauí. "Segundo o sindicato da categoria, a maioria dos acidentes e mortes ocorrem por falta de treinamento, supervisão técnica e que equipamento. Com objetivo de economizar, usam empresas terceirizadas e escalam apenas um trabalhador para fazer o serviço. Quando morreu, Osvaldo trabalhava pela Bimetal de Mauro Mendes montando a torre sem equipamento e sozinho", afirma.

O vídeo-denúncia afirma também que "a Bimetal de Mauro Mendes foi autuada pelo sistema federal de inspeção do trabalho por negligenciar saúde, segurança do trabalho, treinamento, exceder a jornada de trabalho e não fornecer equipamentos de segurança a vários de seus trabalhadores, entre eles Osvaldo".

"Quero justiça"

No final do vídeo, a viúva afirma que o corpo do marido foi achado por um polícial apenas no dia seguinte ao acidente. E lamenta a morte do marido. "Eu sinto falta dele. Meu filho pede muito ele, chora de noite pedindo ele. É muito difícil...Dinheiro algum vai suprir a falta de ele faz, a saudade... Dinheiro nenhum não paga. Nada vai trazer ele de volta, mas eu quero justiça", afirma.

Segundo o programa, o processo contra a Bimetal tramita na 9ª Vara do Trabalho de Cuiabá.

Outro lado

Procurado pela reportagem, a assessoria jurídica do candidato Mauro Mendes diz que não iria comentar o assunto.

Comente esta notícia