facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 27 de Maio de 2024
27 de Maio de 2024

12 de Agosto de 2010, 11h:55 - A | A

POLÍTICA /

Greve no Judiciario: Proposta é aceita mais greve continua

A Gazeta



Às vésperas de completar 100 dias de greve, servidores do poder Judiciário sinalizaram para retomada dos trabalhos ao aceitar a proposta formulada pelo governo do Estado e Tribunal de Justiça (TJ/MT) de pagar em parcelas, nos próximos anos, o montante de R$ 243 milhões referente aos passivos da Unidade Real de Valor (URV). No entanto, estão condicionando o fim da paralisação à aprovação no Pleno do Judiciário e Assembleia Legislativa de duas propostas que são a liberação de R$ 12 milhões para incorporar oficiais de Justiça em nível superior, conforme prevê a resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e garantia do auxílio alimentação de R$ 400 mensais a partir de novembro deste ano. A decisão por unanimidade da categoria foi tomada ontem em assembleia geral.

A proposta de pagamento da URV encaminhada pelo governador Silval Barbosa (PMDB), prevê suplementação financeira no repasse ao Judiciário de R$ 36 milhões até 2012 e R$ 33,6 milhões a partir de 2013.

Os servidores decidiram ainda ingressar com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) para receber a segunda parcela de aumento salarial acordado com o Judiciário e Legislativo em dezembro do ano passado, o que corresponde a 16,33% ou R$ 6,750 milhões.

O impedimento da liberação do dinheiro partiu do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que detectou irregularidades na escala de trabalho dos servidores em inspeção feita no setor financeiro do Judiciário. Os servidores optaram pela fixação de sete horas ininterruptas como regra geral para jornada de trabalho dos servidores, no entanto, recebiam pela jornada de 8 horas intercaladas.

Outro lado - A assessoria de imprensa do TJ informou que vai aguardar ser notificado oficialmente das decisões dos servidores para avaliar a viabilidade das propostas.

Comente esta notícia