Cuiabá, 06 de Dezembro de 2022
logo

23 de Novembro de 2016, 09h:00 - A | A

POLÍTICA / REPATRIAÇÃO

Dinheiro recuperado será usado para pagar 13° e regularizar repasses atrasados

União deve pagar os juros referentes à arrecadação de valores repatriados, que eram mantidos ilegalmente fora do país. Em Mato Grosso esse repasse deve ser empregado no pagamento de duodécimo e folha salarial.

CELLY SILVA
DA REDAÇÃO



O Governo de Mato Grosso deve ter um “alívio” nas contas e conseguir pagar regularmente os salários e o 13º deste ano aos servidores públicos, além de pagar os duodécimos dos outros Poderes, após o anúncio de que a União irá repartir com os Estados cerca de R$ 5 bilhões, referentes aos juros da repatriação de valores mantidos ilegalmente no exterior. A notícia foi dada pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, na noite desta terça-feira (22).

 

Governadores devem implantar ajustes como reformas nos planos de previdência dos servidores e redução de ao menos 20% nos gastos com cargos comissionados e gratificações.

Em contrapartida, os Estados terão que se comprometer em fazer ajustes nas contas, o que foi acordado nesta terça, em uma reunião entre o presidente Michel Temer (PMDB), os governadores, além de membros da Câmara e do Senado.

Dentre esses ajustes, estão reformas nos planos de previdência dos servidores e redução de ao menos 20% nos gastos com cargos comissionados e gratificações.

Para Mato Grosso, o impacto imediato da chegada desse recurso aos cofres estaduais será cumprir os compromissos básicos, como folha de pagamento do Executivo e pagamentos dos duodécimos aos demais Poderes e órgãos, o que vai impedir que eles, por conseguinte, também atrasem os salários de seus servidores.

Ainda na terça-feira (22), antes do anúncio vindo de Brasília, o havia adiantado que o presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), Antônio Joaquim, afirmou que não tinha os R$ 13 milhões em caixa, necessários para pagar a folha.

No caso do Ministério Público Estadual (MPE) e do Tribunal de Justiça (TJMT), os presidentes previam pagar os salários somente quando o duodécimo fosse pago pelo Estado, o que deveria ocorrer até o dia 10 de dezembro, na possibilidade de um atraso, pois a data correta para esse repasse deveria ser o dia 26 deste mês (LEIA MAIS)

Comente esta notícia

rocha 23/11/2016

Méritos ao sensacional ministro Henrique Meirelles não ao anão de jardim que desgoverna o MT.

1 comentários

1 de 1