facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 22 de Maio de 2024
22 de Maio de 2024

11 de Outubro de 2010, 21h:46 - A | A

POLÍTICA /

Dilma não vem a Mato Grosso pedir votos neste segundo turno

olhar direto



Polyana Araújo

Devido a uma série de fatores, a candidata do PT à presidência da República, Dilma Roussef, não deverá vir a Mato Grosso antes do próximo dia 31. Entre eles, a pequena diferença de votos dela em relação a do adversário José Serra (PSDB) e o fato de não haver disputa em segundo turno no Estado, já que o governador Silval Barbosa (PMDB) se reelegeu logo no primeiro turno.

Além disso, Mato Grosso não possui densidade eleitoral, não tendo força para alterar significativamente um quadro eleitoral para presidente da República, com 2.094.032 milhões de eleitores aptos a votar dos 135.804.433 milhões de brasileiros que irão às urnas no final deste mês definir o sucesso do presidente Lula, que deixará o cargo com alto grau de aprovação.

Dilma apareceu atrás de Serra com dois pontos percentuais. Teve 42,8% dos votos válidos no Estado, enquanto Serra 44,1%. Porém, o grupo que apóia a sua candidatura conseguiu eleger maior número de deputados federais, estaduais e um senador, nesse caso, Blairo Maggi (PR), que recebeu mais de 1 milhão de votos.

Apesar de já se considerar vitoriosa em parte por causa da vitória de Silval, o PT de Dilma perdeu representatividade no Congresso Nacional e na Assembleia Legislativa. Não conseguiu substituir Serys Slhessarenko no Senado, com a derrota de Carlos Abicalil, e na Câmara Federal assegurou apenas uma vaga.

No entanto, a cadeira de Ságuas Moraes não está 100% segura, dependendo do futuro de Pedro Henry (PP) na Justiça Eleitoral. Caso o progressista obtiver êxito no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ou ainda no Supremo Tribunal Federal (STF), o petista poderá perder o cargo.

Comente esta notícia