facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 24 de Maio de 2024
24 de Maio de 2024

02 de Dezembro de 2010, 13h:02 - A | A

POLÍTICA /

De Vitto é condenado a devolver R$ 202 mi por irregularidades na SAD



MIRO FERRAZ
DA REDAÇÃO

O Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT) condenou o ex-secretário de Administração do Estado e ex-poderoso do governo Maggi, Geraldo De Vitto, a devolver aos cofres do estado a quantia de R$202 mil. O TCE detectou várias irregularidades em sua passagem pela SAD. A punição se refere ao exercício de 2009. O ex-secretário também foi multado em quase R$ 5 mil por pagamento irregular de despesas. Ele tem 30 dias para fazer para pagar a conta maior e apenas 15 para quitar a multa.

De acordo com o TCE, De Vitto autorizou pagamento de horas extras a servidores comissionados, o que contraria a lei e inclusive um acórdão do próprio Tribunal de Contas. O valor pago em “extras” passa de R$ 145 mil. O TCE detectou ainda o pagamento de contas de água pela SAD, do restaurante do servidor, localizado no Centro Político e Administrativo (CPA).

A ilegalidade do pagamento se dá devido ao restaurante ser operado comercialmente por terceiros com nome de Karícia Restaurante Self Service. De Vitto pagou no ano passado, R$ 34,5 mil em contas de água do restaurante. O ex-secretário também  pagou diárias irregulares e é responsabilizado até por extravio (sumiço) de pneus, 12 no total, para caminhonetes modelo Frontier.

Das irregularidades que recaem sobre De Vitto, as do TCE podem ser consideradas pequenas, se comparadas às apuradas pelo Ministério Público Estadual (MPE), na fraude que ficou conhecida como “escândalo das máquinas”, com a compra de 705 maquinários, entre caminhões, moto niveladoras, pás carregadeiras, tratores, entre outros, adquiridos pelo Estado, com sobre preço de R$ 44 milhões.

De Vitto é acusado, junto com o ex-secretário de Infraestrutura, Vilceu Marchetti, de chefiar o que foi chamado pelo MPE de “bando”, também composto por servidores da Sinfra, formado para lesar o Esstado.

Comente esta notícia