Cuiabá, 30 de Junho de 2022
logo

Segunda-feira, 14 de Novembro de 2011, 13h:41 - A | A

VÁRZEA GRANDE

Presos destroem celas da Cadeia do Capão Grande

DA REDAÇÃO

Mais de 200 presos do Raio 3 da Cadeia Pública de Várzea Grande se rebelaram, no começo da noite de domingo (13), por causa do cancelamento da visita de 54 presos que foram transferidos, há poucos dias, da Penitenciária Central do Estado, em Cuiabá.

Os presos colocaram fogo em colchões e destruíram a parede da Ala L, da cadeia, causando maior tumulto. Durante a madrugada, três deles tentaram fugir, mas não obtiveram êxito porque PMs da vigilância externa conseguiram descobrir o plano a tempo. Então, como castigo, não receberiam visitas.

Assim que policiais militares chegaram no local, os presos jogaram pedras, o que levou a tropa a usar o escudo.

Os presos ameaçavam fazer “roleta-russa” – iriam matar alguns deles, caso a visita não fosse reestabelecida.

Os militares – tanto do Batalhão de Guardas, como da Rotam e 4º Batalhão – utilizaram de munição antimotim para conter os presos.

Durante a rebelião, três detentos ficaram feridos e levados para a enfermaria do presídio.

Após duas horas de negociação, entre 19 e 21 horas, comandada diretamente pelo chefe do Comando Regional II, coronel Pery Taborelli, os presos se renderam e conseguiram o que queriam: 54 deles retornaram para o Presídio Central. Eles foram escoltados por cinco viaturas, num esquema especial.

Os outros 80 presos dos raios 2 e 3 foram colocados sentados no pátio externo, para uma revista nas celas. Em seguida, foram reconduzidos às celas do raio 3.

Conforme a esposa de um dos detentos transferidos, o aviso do cancelamento da visita ocorreu na parte da manhã, revoltando familiares dos detentos.

“Os parentes dos outros presos, que já estavam no presídio, tiveram visita normalmente. A gente ficou esperando. Ficamos sabendo que houve uma tentativa de fuga durante a madrugada”, relatou a mulher de um dos presos. (Com assessoria).

Comente esta notícia