facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 20 de Julho de 2024
20 de Julho de 2024

27 de Outubro de 2017, 13h:43 - A | A

POLÍCIA / FARDA SUJA

Juiz condena policiais que pediram suborno à vítima de acidente para não apreender CNH

Os policiais Dorothy da Luz e Sivaldo de Souza receberam R$ 200 para não apreender a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) provisória de uma mulher que sofreu acidente de moto.

RAFAEL DE SOUSA
DA REDAÇÃO



Dois policiais civis foram condenados pelo juiz Luís Aparecido Bortolussi Júnior, da Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, por crime de improbidade administrativa após exigirem R$ 200 para não apreender a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) de uma motociclista, em 2013.

A decisão do magistrado é do último dia 20 e ainda cabe recurso em instâncias superiores.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Na ação, o magistrado acatou os argumentos do Ministério Público Estadual (MPE) de que, em fevereiro de 2013, os policiais civis Dorothy Rodrigues da Luz e Sivaldo de Souza pediram propina a Claudenice Xavier Gomes e o namorado dela, Diogo da Cruz Kumakura, depois do casal bater uma moto Honda Biz na traseira de um Volkswagen Voyage, na Avenida Fernando Corrêa, próximo ao Colégio Master.

Após o casal ter sido encaminhado ao Pronto-Socorro de Cuiabá, os policiais foram à unidade e pediram dinheiro para não apreender a habilitação provisória de Claudenice sobre o argumento de que ela teria que fazer todas as aulas de direção, além de pagar por um novo documento.

Um amigo de Claudenice se prontificou a fazer o contato com Dorothy e Sivaldo. Em seguida, ligou para um colega da Polícia Militar que encaminhou a denúncia à Corregedoria da Polícia Civil.

Orientados a pagar a propina, o delegado fotografou as cédulas e combinou que Diogo e Claudenice entregassem o dinheiro aos policiais com o objetivo de realizar uma prisão em flagrante.

Ao ser comunicado da entrega do valor, investigadores da Polícia Civil encontraram as notas de dinheiro no bolso de Sivaldo. 

Pelo crime, o magistrado decretou a “perda da função pública em exercício ao tempo desta condenação, seja cargo público efetivo, comissionado, função de confiança ou cargo eletivo, a suspensão dos direitos políticos pelo prazo de oito anos, pagamento de multa civil no importe do valor correspondente a cinco vezes a remuneração percebida à época pela agente pública ímproba, atualizada com correção monetária pelo índice do INPC a partir de 2013”, além da “proibição de contratar com o Poder Público”.

Comente esta notícia

ANDERSON ROBERTO RICAS SILVA 29/10/2017

Nada justifica a corrupção, mas acho que a coisa estava feia para esses dois policiais, arriscar uma vida de trabalho por duzentos reais, vender a sua honra por um prato de comida. Se realmente eles fizeram isso, devem ser punidos com os rigores da lei, mas pena que a lei não é igual para todos, pena que a lei dos homens tem dois pesos e duas medidas ou até três ou quatro pesos e medidas diferentes, vejamos... A família do assaltante recebe auxílio reclusão quando o meliante é preso, afinal de contas, estando preso o coitado não tem como trazer o pão e nada mais justo a familia desta vitima da sociedade receber mais que um aposentado que trabalhou honestamente uma vida inteira. Temos também uma elite que é acima do bem e do mal, considerados por uns e por eles mesmos uns semi-deuses, que aos seus próprios olhos são de um senso de justiça e sabedoria tal que causaria inveja até no rei Salomão, um grupo que ao meu ver, deveriam dar o exemplo tudo, e que mesmos ganhando pequenas fortunas de salários e gratificações, alguns talvez movidos pela ganância ou pela certeza da impunidade , ainda tem o descaramento de receberem ilegalmente milhares de duzentos reais, fazendo a propina recebida pelos policiais parecer aquela moeda da esmola dada ao faminto no semáforo. E se forem pegos (raridade), pasmem, o máximo que acontece com esses quase deuses é a aposentadoria compulsória com vencimentos integrais. Mas com o policial é outra coisa, errou dançou, perde a liberdade, o emprego ou a aposentadoria, mesmo que já tenha tempo de contribuição para se aposentar. E a família dele.. quem liga para a família do policial? Se não ligam para ela nem quando morre um policial exemplar, irão ligar para a família do policial que pisou na bola!

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1