Cuiabá, 29 de Novembro de 2022
logo

26 de Novembro de 2016, 19h:45 - A | A

POLÍCIA / COBRADOR DE DÍVIDA

Funcionário de prefeito é preso por ameaça a trabalhador e porte ilegal de arma

Antônio Silva foi armado com revólver cobrar o pagamento por um trator vendido pelo prefeito de Feliz Natal, ou receber a dívida do comprador, mas foi denunciado e preso.

RAFAEL DE SOUSA
DA REDAÇÃO



Uma confusão ocorrida na tarde deste sábado (26), levou para a cadeia Antônio Santos Silva, que é funcionário do prefeito de Feliz Natal, Toni Dubiella (PSD). Ele é acusado de porte irregular de arma de fogo e por ameaçar um agricultor do Assentamento Ena, localizado a 100 quilômetros do município.

A vítima não teve o nome revelado pelos policiais.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

De acordo com as informações repassadas pela Polícia Civil ao , a confusão começou quando Antônio foi a mando do prefeito até a localidade rural para buscar um trator, que teria sido vendido pelo político ao morador do assentamento, ou para receber a quantia devida já que o mesmo não teria cumprido com o pagamento do maquinário.

Antônio discutiu com o comprador que teria se recusado a entregar o trator. Sem entendimento entre as partes, a Polícia Militar foi chamada para conter os ânimos, mas quando chegou ao local constatou que Antônio Silva estava armado com um revólver de calibre 38, carregado com seis munições.

Como Antônio não tem autorização para portar arma, recebeu voz de prisão e foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil do município, onde está detido. Ele deve ser ouvido pelo delegado Flávio Souza Braga na segunda-feira (28), que é quem decidirá se ele deve ou não ficar preso preventivamente.

No boletim de ocorrência, não consta que o prefeito Toni Dubiella tenha ameaçado o agricultor, porém, há informações de que ele também esteve no assentamento tratando sobre o assunto.

O outro lado

O tentou contado com o prefeito de Feliz Natal por várias vezes neste sábado, em números de telefones diferentes, para ouvir a versão dele sobre o fato, porém, não obtivemos sucesso. 

Comente esta notícia

Marcos 27/11/2016

Acho errado esse tipo de conduta ao tentar receber dívida, mas quem compra tem que pagar ou devolver o bem.

1 comentários

1 de 1