facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 18 de Julho de 2024
18 de Julho de 2024

07 de Novembro de 2017, 07h:00 - A | A

PODERES / PELO WHATSAPP

Mensagens mostram trama de coronéis para afastar Perri de investigação sobre grampos

O plano foi descoberto após o próprio coronel Soares se arrepender de participar do esquema e delatar o caso à Polícia Civil.

DA REDAÇÃO



Mensagens de texto trocadas entre o tenente-coronel da Polícia Militar José Henrique Soares e o ex-chefe da Casa Militar, coronel Evandro Lesco, pelo aplicativo WhatsApp, mostram parte da articulação da trama para afastar o desembargador Orlando Perri – do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) - da relatoria do processo que apura o esquema de escutas telefônicas ilegais no Estado.

Porém, o plano foi descoberto após o próprio coronel Soares se arrepender de participar do esquema e delatar o caso à Polícia Civil, à época, responsável pelas investigações do caso. A denúncia causou uma série de prisões, inclusive a do coronel Lesco.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Um relatório, obtido pelo site Mídia News, aponta que Lesco usava o celular da mulher dele, a personal trainer Helen Christy, para tratar do plano com Soares. As mensagens começaram a ser trocadas no dia 12 de setembro, quando o militar já estava em liberdade da primeira prisão.

Na conversa, os coronéis da PM, que se cumprimentavam em forma típica de militares, com a saudação “hooop”, demostram receio após ler reportagens em sites de notícia, de que o ex-comandante-geral da Polícia Militar, coronel Zaqueu Barbosa, preso desde maio por participação no caso, estava negociando um acordo de delação premiada sobre o esquema de grampos em Mato Grosso:

José Soares - Temos que saber se é falso mesmo ou se tem alguma verdade.

 Evandro Lesco: Falso.

José SoaresEntão.

Evandro LescoNão é a primeira vez que falam isso no jornal.

Nas mensagens, o coronel Ricardo Soler, responsável por equipar a farda de Soares com uma câmera (chamada de peixe), é apelidado de “peixeiro”:

José Soares - O Soler fez o serviço na farda de primeira. Não dá nem para notar. 

Evandro Lesco – É um craque. 

José Soares -  O cara é artista. Vdd [verdade]. 

Evandro Lesco – Craque no peixe. 

José Soares – kkkkkkkkkkk. 

Evandro Lesco -  kkkkk. Sério pô. Kkkkk 

O documento afirma, ainda, que o plano contava com a “participação de Helen Christy (esposa de Lesco), [ex] secretário de Segurança Pública, Rogers Jarbas, major [Michel] Ferronato, coronel [Airton] Siqueira, entre outros”.

Lesco também queria saber de Soares, à época, escrivão do caso, sobre o andamento do inquérito policial militar (IPM) que apurava o esquema de arapongagem no Estado.

Evandro LescoE aí, alguma novidade?

José SoaresCansativo demais.

Evandro Lesco – Tá ralado.

José Soares Ouvimos uns nove ppmm [policiais militares], mas nada de relevante. A situação do Siqueira é a msm [mesma].

Evandro LescoTenho certeza, só trabalho.

Após as conversas, o coronel e a esposa foram presos por determinação do desembartgador Orlando Perri por crime de obstrução à Justiça.

Ambos foram soltos no dia 31 de outubro, por determinação é do Mauro Campbell, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que concedeu liberdade ao casal e a outros cinco investigados no caso.

Álbum de fotos

Comente esta notícia