facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 17 de Julho de 2024
17 de Julho de 2024

27 de Outubro de 2017, 11h:28 - A | A

PODERES / CONFORME A LEI

Líder do Governo diz que deputados agiram corretamente ao votar pela soltura de Fabris

O deputado Dilmar Dal Bosco (DEM) defendeu a decisão do Poder Legislativo que determinou a soltura de Gilmar Fabris, preso por determinação do STF.

RAFAEL DE SOUSA
DA REDAÇÃO



O líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado Dilmar Dal Bosco (DEM), defendeu, na tarde de quinta-feira (26), que os parlamentares que ‘derrubaram’ a ordem de prisão do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), e votaram a favor da soltura do deputado Gilmar Fabris (PSD) - preso no dia 15 de setembro por suposta obstrução à Justiça - não fizeram “nada de errado”. 

Dilmar afirma que os 19 deputados favoráveis à soltura de Fabris apenas cumpriram uma determinação imposta pela Constituição Federal e Estadual.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

“A Constituição diz que o parlamentar não sendo preso em flagrante, o pedido tem que ir para o Parlamento para ser votado. E isso estava na própria decisão do ministro Fux”, completou.

“Nós não fizemos nada de errado. Se tivesse a prisão em flagrante, a Comissão de Ética tinha que analisar e fazer o relatório afirmando que em flagrante a Constituição diz que tem que permanecer preso”, defendeu Dilmar.

O democrata também afirma que na própria decisão, o ministro do STF cita que a prisão, não sendo em flagrante, sua manutenção ou não deve ser votada pelo Parlamento.

“A Constituição diz que o parlamentar não sendo preso em flagrante, o pedido tem que ir para o Parlamento para ser votado. E isso estava na própria decisão do ministro Fux”, completou.

O deputado destacou, ainda, que antes de receber o processo do Supremo, o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (PSB), trocou todos os membros da Comissão de Ética dando mais transparência ao processo.

"O parecer da comissão veio para os deputados e nós votamos e acordo com a lei. Neste caso, para manter a prisão, tinha que fazer uma alteração na lei falando que não precisa ser em flagrante para prender”, observou.

“A Comissão de Ética analisou todo procedimento e fez um relatório sobre as leis federal e estadual, como aconteceu. O parecer da comissão veio para os deputados e nós votamos de acordo com a lei. Neste caso, para manter a prisão, tinha que fazer uma alteração na lei falando que para prender não precisa ser em flagrante”, observou. 

Apesar de ser uma medida polêmica, Dilmar Dal Bosco garante que a votação não traz prejuízo político a nenhum dos parlamentares. “Não vejo prejuízo político porque estamos respeitando a lei”, definiu.

Votação

Em sessão extraordinária, os deputados estaduais votaram pela soltura do deputado Gilmar Fabris. A decisão foi tomada após a Comissão de Ética da Assembleia, presidida por Leonardo Albuquerque (PSD) e com Saturnino Masson (PSDB) como corregedor, finalizar um relatório favorável à soltura do parlamentar que foi apresentado ao plenário.

A ação também revogou as medidas cautelares impostas ao parlamentar e o afastamento dele do cargo. 

A medida está baseada na decisão dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que avalizaram o Senado a decidir pelo retorno do senador Aécio Neves (PSDB), afastado do cargo por ordem da 1ª Turma da Corte.  

Segundo informações de bastidores, o ministro Luiz Fux, do STF, também teria emitido parecer favorável à votação da Assembleia.

Foi Fux quem autorizou a detenção do parlamentar, depois de um pedido do então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que apontou que Fabris teria sido informado da deflagração da Operação Malebolge, no dia 14 de setembro, e saído de seu apartamento, “ainda em roupas de dormir e com uma valise preta”, minutos antes da chegada dos policiais federais. A atitude do parlamentar caracterizou crime de obstrução à Justiça.

Para votar a soltura, a Mesa Diretora também usou o regimento interno da Assembleia que prevê que o Plenário das Deliberações é soberano para tomar a decisão, como aponta o Inciso II do Artigo 47 da Resolução 679 (Código de Ética da Assembleia). 

Comente esta notícia