facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 19 de Junho de 2024
19 de Junho de 2024

28 de Outubro de 2022, 07h:00 - A | A

PODERES / RECEITA ESTADUAL

Gallo cita perda na arrecadação e nega que orçamento de 2023 esteja subestimado

Deputados estaduais apontaram que receita não está de acordo com a realidade do Estado

THAIZA ASSUNÇÃO E APARECIDO CARMO
DO REPÓRTER MT



O secretário-chefe da Casa Civil Rogério Gallo negou, nesta quarta-feira (26), que o Governo do Estado subestimou a receita na Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2023, que está em discussão na Assembleia Legislativa.

O orçamento previsto é de R$ 30,815 bilhões. Deputados da oposição, porém, apontaram que a receita não está de acordo com a realidade do Estado.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Segundo Gallo, o orçamento está de acordo com as perdas que o Estado vem registrando, principalmente, na arrecadação do  Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), por conta das leis aprovadas no Congresso Nacional que desoneraram os combustíveis.

 “A receita está na linha das perspectivas que nós temos com o ano seguinte e também com os impactos que nós tivemos de leis aprovadas no Congresso Nacional que desoneraram sobretudo os combustíveis, a energia elétrica. E isso tem um potencial de causar um impacto grande, inclusive,  já causou nos meses de agosto e setembro”, afirmou.

Fora isso, o secretário também elencou o cenário de crise mundial aliado à pandemia e à guerra da Rússia com a Ucrânia.  

“Nós temos aí baixo crescimento nos Estados Unidos e na Europa em função de pandemia e em função também da Guerra da Ucrânia e da Rússia. Isso está causando já lá um aumento da taxa de juros. A taxa do título do tesouro americano está em 4,5%, são níveis históricos e isso está retendo o dólar e a decisão de investir em países emergentes como é o Brasil. Tudo isso pode de algum modo causar algum impacto econômico aqui no Brasil no ano de 2023”, declarou.

Gallo ponderou que o Estado tem que ter os pés no chão para não cair na inadimplência e comprometer os servidores, fornecedores e os investimentos para a população.

“É como você projetar um salário, não receber e você ter emitido obrigações, cheques em cima daquilo que você achava que poderia arrecadar. Isso vai dar problema na sua vida pessoal e é a mesma coisa com o Estado”, pontuou.

Comente esta notícia