Cuiabá, 09 de Dezembro de 2022
logo

01 de Dezembro de 2016, 07h:55 - A | A

OPINIÃO /

Voo fatídico!

No momento de tragédia é que conseguimos mensurar a importância deste ser superior

LICIO ANTONIO MALHEIROS



O mundo amanheceu estarrecido com a notícia da queda do avião, que levava a delegação da Chapecoense para Medellín, na Colômbia, caindo na madrugada desta terça-feira (29), a poucos quilômetros da cidade colombiana.
 
A notícia pegou a todos de surpresa, causando uma verdadeira  comoção mundial; não apenas, pela notoriedade dos passageiros em questão, composta por: jogadores,  profissionais de imprensa, entre os quais, radialistas, comentaristas esportivos de televisão, cinegrafistas e por ai vai. 
 
O voo que caiu na terça-feira levava 77 passageiros, dos quais, 21 profissionais de imprensa, segundo informações, o único sobrevivente, seria o jornalista Rafael Henzel, da Rádio Oeste Capital. Dos jogadores, infelizmente, apenas três sobreviveram à queda da aeronave, são eles: o lateral Alan Ruschel, 27, o zagueiro Helio Neto, além do goleiro reserva Jackson Follmann, 24.
Chapecoense, time pequeno, fundado em 1973 com apenas 43 anos de existência, já protagonizou uma série de altos e baixos, viveu momentos de crise financeira no início dos anos 2000, mas se reestruturou a partir de 2005.
 
Formado a partir da união de antigos clubes da cidade de Chapecó, em Santa Catarina, o clube conquistou o primeiro campeonato em 1977. Em 2009 disputou a série D; porém em 2014 chegou à série A. Foi campeão estadual em 1996, 2007, 2011 e 2016.
 
O sonho da equipe sempre foi alçar  voos mais altos, o sonho sul-americano; a Chapecoense disputava pela segunda vez a Copa Sul-Americana. A primeira, foi em 2015, quando a Chape cai de pé, vence em casa, mais cai para o River Plate, pelo placar agregado, de 4 a 3.
 
A equipe se reestrutura, em 2016 volta a sonhar com  título inédito,  o da Sul-Americana, se classifica com duas partidas históricas.
 
No duelo de ida à Argentina, os  times haviam empatado em 1 a 1, no jogo de volta na Arena Condá, o Verdão, empata em 0 a 0, contando  com   defesa incrível de Danilo, no último minuto, garantindo a classificação.
 
O sonho do verdão do Oeste é interrompido de forma trágica, pelo grave acidente aéreo que aconteceu na madrugada do fatídico dia 29 terça-feira, vitimando, 72 pessoas, entre jogadores e  tripulantes; resultando, em comoção, dor e sofrimento em todo o mundo.
 
Neste momento de tragédia é que conseguimos mensurar a importância deste ser superior chamado Deus. Ele nos mostra, a nossa fragilidade, a nossa imperfeição, a nossa limitação, a nossa inoperância diante de situações adversas, somos fracos sim, quando o assunto é fé e resignação, principalmente quando perdemos entes queridos, pessoas que amamos.
 
Só percebemos isso, diante de uma tragédia dessa magnitude, ocasionando desencarne em massa, proveniente de  um acidente inimaginável  como esse ocorrido, com a equipe da Chapecoense, quando muitas vidas se esvaírem de forma trágica, proveniente de um acidente aéreo.
 
O mesmo vem ratificar a certeza de que não devemos deixar nada para amanhã; principalmente com relação aos nossos sentimentos. Ao sairmos para uma viagem, ou mesmo para o trabalho ou coisa que o valha, devemos sempre, abençoar nossos filhos, nossos pais e pessoas próximas a nós, pois nem sempre, teremos a certeza da volta, como no caso do fatídico acidente aéreo.
 
Muitas vezes, somos tomados pelo  egocentrismo, egoísmo, soberba e vaidade pessoal, fazendo com que deixemos de dizer aos nossos pais que os amamos, aos nossos irmãos que eles são importantes em nossas vidas, de perdoar alguém por uma coisa banal, como se fossemos perfeitos, e não cometêssemos erro algum. Por isso é importante estarmos de bem com a vida, se não ela poderá tirar de nós nosso bem maior.  
 
Descansem em paz!
 
Licio Antonio Malheiros é geógrafo ([email protected])

>>> Siga a gente no Twitter e fique bem informado

Comente esta notícia