facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 19 de Junho de 2024
19 de Junho de 2024

15 de Dezembro de 2022, 06h:08 - A | A

OPINIÃO / JUNIOR MACAGNAM

Reforma e varejo: desafios para 2023



Se 2022 foi um ano de retomada da rotina, de entender as novas formas de consumo, de adaptação do varejo físico e online, pode-se dizer que 2023 será ano de entendimento sobre a tríade ‘pandemia-guerra-novo governo’. O desafio do comércio será encontrar caminhos para manter e aumentar as vendas diante da nova gestão na área econômica e ainda manter foco em recuperar o retorno dos investimentos.

Indutores do desenvolvimento local, como segmento que mais emprega direta e indiretamente, o varejo e suas entidades representativas devem manter foco em pressionar os representantes públicos do Legislativo e Executivo a começar imediatamente a reforma tributária.

A conta da “PEC da gastança” deve ser paga com o aumento de receita decorrente do crescimento econômico e não do aumento de imposto.

O aumento do déficit fiscal prejudica os mais pobres, pois gera inflação e provoca perda de poder de compra, já que a maior parte da carga tributária no Brasil é regressiva, ou seja, incide sobre o consumo.

Se o governo quer favorecer os mais pobres e dar mais poder de consumo à maioria dos brasileiros, o corte de despesas é o único caminho para provocar este crescimento. Pois diminui o déficit fiscal, melhora a confiança no meio empreendedor e estimula investimentos, e consequentemente mais empregos e mais renda. Como efeito disso, os menos favorecidos poderão aumentar o consumo.

A previsão do varejo é manter a expectativa de redução da taxa de juros, a partir do segundo semestre do ano que vem. Daí a importância da união entre as entidades para pressionar os mandatários públicos a trabalhem para que o gasto público seja controlado e as reformas, principalmente a tributária, sejam aprovadas.

Na outra ponta, a tarefa de casa do varejo é colocar em prática e entender cada vez mais profundamente como pensa e age o consumidor. Compreender o que cliente deseja e precisa, o que ele quer em determinado momento, como ele prefere pagar e dentro deste movimento focar na fidelização e no pós-venda.

Esse processo gera vários investimentos e contratações, e assim o segmento dá a sua contribuição dentro do processo econômico. As novas modalidades de vendas são reforçadas pela tendência de alta do consumo, confirmadas por meio de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que apontam incremento de 2,6% do consumo das famílias.

Os números animam o segmento a investir e acreditar, com responsabilidade, em um cenário motivador. Certamente o varejo se mantém preparado para novos caminhos de expansão de novas frentes de negócio focadas no comportamento do consumidor, e claro, no ambiente político e econômico.

Certo de que os novos legisladores, executivos e o Judiciário têm o mesmo objetivo: dar ambiente saudável a quem investe e poder de consumo aos mais pobres, nós contamos com o comprometimento ético e razoável de todos para o desenvolvimento do Brasil.

Junior Macagnam é empresário, ativista cívico, vice-presidente Institucional da CDL Cuiabá e Primeiro vice-presidente da FCDL-MT

>>> Siga a gente no Twitter e fique bem informado

Comente esta notícia