Cuiabá, 20 de Agosto de 2022
logo

13 de Dezembro de 2017, 18h:00 - A | A

OPINIÃO / RENATO DE PAIVA PEREIRA

Preciosismo

Os dicionários não criam palavras, eles registram as que são usadas.



Quem tem 40 anos ou menos provavelmente não se lembra de Antônio Rogério Magri, que foi Ministro do Trabalho do nefasto governo de Fernando Collor de Mello, de tristíssima lembrança. Como o fato que cito abaixo ocorreu em 1990, precisa de uma pequena explicação para entendimento dos mais novos. 

O Magri era um sindicalista falastrão que acabou demitido por suspeita de fraudes, mas antes produziu algumas frases curiosas: “a cachorra também é um ser humano”, disse ao ser pego usando carro oficial para levar o animal ao veterinário. Em outra ocasião, tentando filosofar, declarou: “Penso muito durante meus momentos de solidez”.     

Mas a que o marcou para sempre foi:  “O fgts é imexível”. Como na época a palavra imexível não era dicionarizada a imprensa, consultando o Aurélio, ridicularizou o ministro como se tivesse dito uma verdadeira tolice.   

Acontece que sem querer o simplório ministro criou um neologismo, que só não estava nos dicionários na época por falta de alguém que o colocasse lá, dado à sua incontestável lógica. Se temos indizível, indisponível, invencível e tantos outros semelhantes, por que imexível parecia tão absurdo? 

Os dicionários não criam palavras, eles registram as que são usadas pelos falantes e suas variações no tempo e no espaço. Nada impede que termos ainda não anotados sejam inseridos a qualquer momento, como ocorreu com imexível.  

Outro fato aconteceu com o cantor Zezé Di Camargo quando disse em uma entrevista que “desconcordava” de tal ou qual afirmação. A imprensa pegou pesado colocando um sic ao final da frase para dizer que  o “erro” era do entrevistado não da revista. Só que não havia engano e o jornalista teve que publicar um “erramos” na edição seguinte.   

Agora vem o caso aqui de Mato Grosso: a imprensa nacional e a mídia cuiabana desancaram o deputado federal Xuxu Dal Molin, porque ele ou seus assessores em um requerimento escreveram “paralização” com Z e não com S.

Claro que a palavra está escrita de forma errada, mas me parece muito preciosismo dos jornalistas e da imprensa verem nisso um erro grosseiro digno de zombaria. 

Da mesma forma que as palavras com Ç e SS, as com S ou Z costumam gerar dúvidas até em pessoas experientes. Não fossem os corretores de texto dos computadores os erros de ortografia seriam muito mais abundantes. 

A presunção dos jornalistas os impediu de ver a lógica no imexível do Magri, depois, apressados “sicaram” uma palavra correta do cantor sertanejo e agora enxergam um atentado à gramática onde existe apenas um deslize. (seria deslise?)   

É mais estranho escrever Xuxu com X, do que paralisação com Z, mas como no caso é nome próprio cada um escreve como bem quiser. (Por pouco não escrevo quizer) . 

RENATO DE PAIVA PEREIRA é empresário e escritor em Cuiabá. 

renato@hotelgranodara.com.br  

 
 

>>> Siga a gente no Twitter e fique bem informado

Comente esta notícia