Cuiabá, 02 de Julho de 2022
logo

Segunda-feira, 07 de Novembro de 2011, 14h:57 - A | A

JOSÉ MARCONDES - MUVUCA

Carta aberta ao Senador Pedro Taques

JOSÉ MARCONDES - MUVUCA

Caro Senador,

Votei no senhor, acreditando em suas palavras. Aliás, este missivista que o senhor está processando declarou voto abertamente em seu blog, dias antes das eleições. Infelizmente este seu eleitor quebrou a cara cedo demais. O senhor não é, nem de longe, aquilo que eu acreditava ser. Pelo contrário, se mostrou apenas mais um, e pior, com viés autoritário, ditatorial, raivoso, como se não bastasse as suspeitas que pairam sobre suas ligações políticas.
 

A democracia, senhor Pedro Taques, é o bem maior da nossa sociedade. Mas parece que seu voluntarismo autoritário não está a altura desta sociedade que o senhor diz defender. Não correspondeu ao meu voto e ao de outras pessoas que o tinha como um cara limpo. Traiu as próprias palavras e a confiança das pessoas que hoje o vêem apenas como um espertalhão querendo se dar bem, vendendo falsas ilusões ao povo.

Senão vejamos, o senhor foi eleito com o dinheiro dos chefões do combustível (como de fato ficou provado e comprovado), com apoio de um medalhão acusado de dar um rombo milionário (Cooperlucas), ao chegar em Brasília bandeou para o lado do honorável bandido, aliás, o maior e mais reconhecido corrupto deste país, José Sarney, a quem presta continência e com quem faz acordos, como o que o colocou numa subcomissão do Senado em troca de apoio e silêncio contra as falcatruas praticadas por ele no estado do Maranhão.

Tão zelozo combatente contra a corrupção e a impunidade aqui em Mato Grosso, o senhor foi para Brasilia se aliar a reconhecidos corruptos nacionais? Nos conte essa história, porque a sociedade não viu o senhor falar nada sobre o povo saindo nas ruas aos gritos de "Sarney, ladrão, devolve o dinheiro ao Maranhão", lá onde nossos irmão morrem por falta de atendimento digno na saúde, por conta da corrupção.

Não se viu, na época, o senhor falando nada a respeito do aqrquivamento (impunidade) do 'Caso Cooperlucas', que aliás, se trata de um rombo de R$ 200 milhões, que corrigidos hoje chegaria ao montante de R$ 2 bilhões (quantas creches, escolas, casas poderiam serem construídas com esse volume surrupiado?).

Ninguém viu o senhor falar sobre o cartel dos combustíveis aqui instalado (e hoje pagamos um dos combustíveis mais caros do país - qualquer cidadão que abastece seu carro sabe disso), ninguém viu o senhor falar nada sobre muitas outras coisas que o cercam. Aliás, em Brasília seu partido chafurda em meio a grandes falcatruas, pego em flagrante neste fim de semana pela revista Veja, como uma facção criminosa que instalou no planalto central uma máquina de extorsão e corrupção, fazendo uso do poder que o povo deu através do voto para carrear recursos financeiros. Mas os corruptos são os outros, não é mesmo, senador?


Se o senhor não deve nada, como se diz nos meandros da justiça, não deveria temer, tentando impedir que publicássemos mais coisas que sabemos a vosso respeito, nem nos tiraria do ar na rádio onde trabalhávamos (através de um dos financiadores de sua campanha e chefão dos combustíveis em MT, Aldo Locateli, que acabou revelando um pacto de vida e morte entre ambos). Ou é isso que o senhor está temendo que a imprensa revele?

No contra-vapor, desafio o senhor vir a público esclarecer todos esses fatos, ao invés de usar a força do seu grupo financista, a truculência de seus correligionários, a arma corporativista dos advogados e a aparente proximidade com o Ministério Público para nos intimidar. Quem não deve, não teme, não é mesmo? Então explique para a sociedade qual é o seu medo e porque usou tantas armas para nos impedir de falar? Afinal, o que o senhor está querendo esconder?

 

Para reavivar vossa memória sobre os valores fundamentais da nossa sociedade, que o senhor deve ter esquecido na lata de lixo da própria arrogância, é preciso que a sociedade saiba o quanto o senhor usou a máscara do judiciário para se promover políticamente. Cito apenas uma historia:

Um dia, um grande homem lutou pelas Diretas-já, pela liberdade e livre expressão, por esta democracia que hoje permite, por exemplo, pessoas como o senhor serem eleitas.

 

Este mesmo homem, muitos anos depois, foi execrado publicamente porque pessoas como o senhor o acusaram de envolvimento com o crime organizado. Após isso, ele morreu, sem jamais conseguir provar sua inocência. O que o senhor fez abalou para sempre sua vida e maculou sua tragetória. A cuiabania perdeu um grande líder e Mato Grosso um dos maiores representantes políticos. Seu nome, Dante de Oliveira.

E depois? Ficou comprovado seu envolvimento? Não! O senhor pediu desculpas à sua família? Não! O episódio serviu a seus propósitos? Sim! O senhor, como ex-procurador, auferiu dividendos subindo em cima do caixão de pessoas de bem, para tentar se valer de sua sina e apresentar-se como o novo salvador da pátria. E Dante morreu tentando se defender das acusações.

Pessoas como você, Senador, apagaram o brilho de vida de muitas pessoas inocentes, e o pior, a serviço de um propósito político, como o que está sendo revelado. E agora tenta esconder-se por trás de uma máscara de combate a corrupção. E a sua corrupção, Senador, a impunidade engavetada da Cooperlucas, o silêncio diante dos cartéis, o enfileiramento de corruptos e fichas-sujas no seu convívio e partido?


Não só Dante, os porões da ditadura mostraram quantas pessoas morreram para permitir a liberdade de opinião, muitas foram torturadas, nossos pais lutaram e aquela geração nos deu um mundo melhor, livre, democrático. Mas talvez, naquela época, o senhor estivesse em um shopping center qualquer, porque a luta pela democracia, definitivamente, não é sua. Suas atitudes, ao contrário, revelam apenas a personalidade de um filhote da ditadura.

 

O senhor foi eleito no rastro das ofensas, das injúrias e difamações alheias e sequer teve a dignidade de reparar os equívocos. Se aliou a pessoas evolvidas em escândalos, montou um partido de ficha-sujas, partido este que está até a tampa de envolvimento com os escândalos em Brasilia.

E no extremo da indignade, tem a indolência de querer nos processar por injúria, calúnia e difamação? Francamente, senhor Pedro Taques, sua moral é de vidro e sua reputação não resiste a simples artigos escritos por um 'Zé Ninguém' como eu.

Vou além. A sociedade precisa saber qual o grau de envolvimento do senhor no corporativismo judicial. Afinal, o senhor nos representou no Ministério Público, não teve sequer a obsequiosidade de ir na justiça comum, optando por tentar provocar o cororativismo de seus ex-pares na ânsia de querer nos intimidar.

Onde está sua coragem, Pedro Taques? Um homem que diz ter derrotado o crime organizado com medo de um simples jornalista? Aliás, a sociedade precisa saber, de uma vez por todas: O Ministério Público está a favor do estado democrátio de direito, das liberdades individuais e do direito sagrado de opinião e expressão, ou recuará aos tempos desprezíveis da ditadura cujo paradigma da exceção só serviria para atender o capricho de um ex-procurador que resolveu entrar na política tentando passar a imagem de vestal? Vestal que nunca foi!

Com a palavra, quem de direito!

P.S. O impoluto senador Pedro Taques entrou na justiça e requereu R$ 21.800,00 (Vinte e um mil e oitocentos reais) deste jornalista pelas coisas escritas e comprovadas a seu respeito, como sua ligação com os chefões do combustível. Se a justiça resolver nos calar, saibam tantos quanto puderem, que há muito mais a ser revelado a respeito do senhor José Pedro Gonçalves Taques.

 

>>> Siga a gente no Twitter e fique bem informado

Comente esta notícia

Elton Mariano 09/11/2011

Eu só acho graça quando vejo esses artiguinhos do Muvuca. Ele está querendo manchar o nome do senador pra favorecer outros político. Todo mundo sabe que ele recebia dinheiro de alguém para falar mal do BRT nas audiências públicas da agecopa. Ou seja... aceita dinheiro fácil. E tem mais!! Veja a credibilidade deste senhorzinho, ele já foi preso pela Polícia Federal em 2008 na operação Termes e indiciado por esquema na Sema. O JOSÉ MARCONDES DOS SANTOS NETO, vulgo Muvuca. Isso pode ser visto aqui http://www.rdnews.com.br/blog/post/confira-a-lista-de-presos-na-operacao-termes

marcio costa 08/11/2011

Faço das palavras do Maurilio as minhas. Disse tudo!!

maurilio costa 08/11/2011

É senador, o senhor deveria vir a publico e se explicar, porque o que nao pode é seus eleitores ficarem na duvida sobre a sua conduta que é o meu caso pois votei no senhor por acreditar na sua ética, mas diante de todas estas denuncias passo a desacreditar na sua pessoa como representante do povo matogrossense, e porque nao do povo brasileiro, porque senador eu acredito que vivemos num estado democratico"aparente" pois estamos vendo atitudes de homens publico com atitudes antidemocraticas em todas as eferas, onde estao tentando tirar o direito da livre expressao, ora senador o regime ditador acabou nas diretas já do DANTE DE OLIVEIRA, diga-se de passagem senador o maior estadista de MT,e pode-se dizer do brasil,entao senador nao tem porque o senhor fazer retaliaçoes a imprensa por meio do MPE, o mais certo a fazer senador é vir a publico e dar satisfaçao para nos seus eleitores que acretitaram em voce como fiel defensor da moral e da etica em todas as esferas, principalmente na publica. esperamos por uma resposta sua, e que o senhor faça valer o estado democratico, e a liberdade de expressao da imprensa e de qualquer cidadao civil comum.

Fernando da Silva 07/11/2011

Prepare o bolso muvuquinha, Aluiso Leite, já está sentindo na pelê. rsrsrs...15 mil reais, é grana meu rei.

4 comentários

1 de 1