facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 23 de Junho de 2024
23 de Junho de 2024

29 de Novembro de 2022, 06h:00 - A | A

OPINIÃO / WILSON CARLOS FUÁH

As duas opções



Muitos projetam o complexo de culpa nos outros e acham que tudo de ruim que lhe ocorre é culpa do governo, dos colegas, dos parentes ou dos pais.

Desse modo, deixam de assumir responsabilidade de errar e aprender com os seus próprios erros, pois creem que seus fracassos são sempre culpa de outros.

Ao tomar decisões somos beneficiados pelas energias imaginárias que guiam nossos pensamentos e sentimentos, pois somos membros efetivos e definitivos de sucessivas reações boas com objetivos claros ou metas incertas assumidas pelo desespero das decisões inconsequentes.

A vida nos oferece sempre dois lados, um que nos estrutura e nos eleva, e o outro, que nos enfraquece, deprime e às vezes pode nos derrubar, deixando tudo em volta com sentimento debilitado.

Precisamos entender que todos os seres humanos têm um desejo central, um tema básico em torno do qual giram seus pensamentos mais íntimos em busca de realizações.

A vida nos propõe sempre duas opções: a vida real que é formada por obstáculos e a vida ideal que está no imaginário imprudente, onde não existem problemas, e nessas facilidades obscuras nas buscas desenfreadas pela acumulação material, sem saber, estamos sendo chamados a exercitar as transgressões da ética existencial, esquecendo o caminho dos justos, temos que ter a consciência que a missão dos honestos também é possível, pois só alcançamos o sucesso com trabalho edificante e justo.

Nascemos simples e somos criados na maior simplicidade, ignorante do bem e do mal, e sem conhecimentos intelectuais ou culturais, mas dependendo do meio e dos esforços individuais, alguns chegam próximo da perfeição e se destacam mais que os outros.

Há, entretanto, os que se tornam prisioneiros do passado e dele nunca saem porque acham melhor descansar nas esquinas frágeis da personalidade formada na faculdade da indecisão e preferindo usufruir deste descanso, indefinidamente marcado pela falta de vontade de seguir em frente e preferem ficar esperando na fila dos necessitados de ajudas.

Econ. Wilson Carlos Soares Fuáh é Especialista em Recursos Humanos e Relações Sociais e Políticas.

>>> Siga a gente no Twitter e fique bem informado

Comente esta notícia