facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 21 de Junho de 2024
21 de Junho de 2024

13 de Dezembro de 2022, 07h:00 - A | A

GERAL / CORRUPÇÃO

TJ mantém multa de R$ 4 milhões a empresa que pagou propina para secretários de Silval

Webtech foi condenada por pagamento de propina na gestão do ex-governador Silvar Barbosa.

JOÃO AGUIAR
DO REPÓRTERMT



O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) negou suspender a multa de mais de R$ 4 milhões aplicada à empresa Webtech - Softwares e Serviços Ltda – EPP, condenada por esquema de pagamento de propina na gestão do ex-governador Silvar Barbosa.

A decisão é da desembargadora Helena Maria Bezerra Ramos, assinada em 3 de dezembro e publicada na última semana.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

A Webtech foi multada em julho de 2021, no valor de R$ 4.049.985,76, por pagamento de vantagem indevida a agentes públicos estaduais para ser beneficiada na licitação para contratação de serviços de organização do acervo documental dos benefícios de aposentadorias e pensões, ativos e cessados do Estado, com a respectiva análise da vida laboral dos instituidores dos benefícios.

Leia mais

Estado aplica multa milionária e impede 5 de entrarem em licitações

A propina foi paga aos ex-secretários estaduais, César Zílio e Pedro Elias, após contrato com o Estado. O caso é apurado nas esferas criminais e cíveis, em processos criados a partir da Operação Sodoma.

A empresa recorreu contra decisão de primeira instância, que negou liminar para a suspensão da multa. No Tribunal de Justiça, a defesa da empresa chamou a punição aplicada de “ilegal, exorbitante, desarrazoada e desproporcional”.

Porém, o recurso não foi aceito pela desembargadora Helena Maria. “Revela-se prematura a tentativa de reforma da decisão neste instante inaugural no procedimento originário, devendo a agravante, se assim desejar, seguir o correto procedimento de impugnação antes de trazer a matéria ao conhecimento deste egrégio Tribunal de Justiça.”

“Ante o exposto, nos termos do art. 932, III, do CPC, não conheço do presente recurso”, decidiu a desembargadora.

Comente esta notícia