Cuiabá, 29 de Novembro de 2022
logo

23 de Novembro de 2016, 16h:30 - A | A

GERAL / DEU NO VALOR ECONÔMICO

Rota nega venda da BR-163 em Mato Grosso e diz que aguarda empréstimo do BNDES

A concessionária que administra a rodovia em MT garante, por meio de nota, que "não há qualquer fato concreto a respeito do assunto”

RAFAEL DE SOUSA
DA REDAÇÃO



A concessionária Rota do Oeste – que faz parte do Grupo Odebrecht Transport e é responsável pela administração da rodovia no Estado - negou ao que a empresa esteja negociando a venda de parte da BR-163 em Mato Grosso. A informação foi divulgada pelo jornal "Valor Econômico", na segunda-feira (21).

A reportagem, dos jornalistas Daniel Rittner e Murilo Camarotto, sugere que há uma negociação em estágio avançado e que está sendo discutida por três grandes investidores interessados no trajeto, que é um dos mais movimentado do Estado, em razão do agronegócio.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

O motivo seria a falta de dinheiro e crédito da Odebrecth junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para garantir empréstimos a longo prazo e manter as obras de duplicação na rodovia, como prevê o projeto de concessão.

Por meio de nota, a concessionária negou que esteja finalizando a venda da rodovia. Disse que a captação de um sócio estratégico para o negócio sempre fez parte de seu planejamento de estruturação financeira. Informou ainda que se mantém atenta às oportunidades de mercado no sentido de avaliar diversas modalidades de parceria. Mas destacou que não há qualquer fato concreto a respeito do assunto.

A Odebrecht, que é investigada pela "Operação Lava Jato", por suposto envolvimento no escândalo de corrupção da Petrobrás, informou que, em relação aos problemas enfrentados pela Odebrecht Transport para conseguir empréstimos de dinheiro público, apenas aguarda uma definição do Governo Federal quanto à liberação do financiamento de longo prazo junto ao BNDES.

A empresa disse que, de acordo com o modelo de concessão apresentado na época do leilão, em 2013, o financiamento "é crucial para a manutenção dos investimentos na rodovia e o cumprimento dos prazos contratuais de duplicação”.

Mesmo diante da dificuldade para obter recursos, a Rota do Oeste disse continua garantindo seu plano de investimentos na rodovia, especialmente na revitalização dos pontos críticos, reordenamento das travessias urbanas e conservação dos cerca de 600 quilômetros da rodovia que estão hoje sob sua responsabilidade, além da prestação dos serviços operacionais em todos os 850 quilômetros entre Sinop e a divisa com o Mato Grosso do Sul.

Até o momento, cerca de R$ 1,6 bilhão já foram investidos desde 2014, segundo a empresa.

Antes mesmo de finalizar a duplicação da BR-163 em Mato Grosso, a Rota do Oeste já opera com a cobrança de pedágios na rodovia.

Confira a íntegra da nota da Rota do Oeste:

A Concessionária Rota do Oeste esclarece que a captação de um sócio estratégico para o negócio sempre fez parte de seu planejamento de estruturação financeira, desde antes de sua chegada em Mato Grosso, em 2014. Informa ainda que, diante desta premissa, se mantém atenta a oportunidades de mercado neste sentido e avalia as diversas modalidades de parceria. Porém, ressalta que não há qualquer fato concreto a respeito do assunto.

 

Esta negociação, quando celebrada, não afeta em qualquer instância os trabalhos realizados na rodovia. Pelo contrário, ratifica o planejamento da Concessionária e significa um importante avanço para que ela siga cumpridora do contrato. O compromisso da Rota do Oeste com a população mato-grossense continua sendo a concretização da transformação da BR-163. Para isso, aguarda uma definição do Governo Federal quanto à liberação do financiamento de longo prazo junto ao BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento), o que, de acordo com o modelo de concessão apresentado na época do leilão, em 2013, é crucial para a manutenção dos investimentos na rodovia e o cumprimento dos prazos contratuais de duplicação.

 

A despeito das adversidades econômicas e o não cumprimento das condições de financiamento por parte do Poder Concedente, a Rota do Oeste ressalta que segue com seu plano de investimentos na rodovia, especialmente na revitalização dos pontos críticos, reordenamento das travessias urbanas e conservação dos cerca de 600 quilômetros da rodovia que estão hoje sob sua responsabilidade, além da prestação dos serviços operacionais em todos os 850 quilômetros entre Sinop e a divisa com o Mato Grosso do Sul. Até o momento, cerca de R$ 1,6 bilhão já foi investido desde 2014.

 

Comente esta notícia