Cuiabá, 01 de Dezembro de 2022
logo

27 de Novembro de 2016, 18h:30 - A | A

GERAL / MERCADO CUIABANO

Novembro registra alta na intenção de consumo das famílias

A pesquisa divulgada pela Fecomércio aponta que o índice registrado em novembro de 2016 foi de 76,2, enquanto que no mesmo período de 2015 foi de 71,9 pontos.

DA REDAÇÃO



A pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), divulgada pela Federação do Comércio de Mato Grosso (Fecomércio-MT), revela que a intenção de consumo das famílias (ICF), em Cuiabá, atingiu 76,5 pontos em novembro de 2016, contra 71,9 pontos do mesmo período do ano passado. Se comparado aos meses anteriores, o índice saltou de 74,5 pontos em setembro de 2016, para 76,2 em outubro, até atingir o nível atual (76,5).

A Fecomércio-MT lembra que a pesquisa, divulgada esta semana,  tem escala de zero a 200 pontos. O índice 100 demarca a fronteira entre a avaliação de insatisfação e de satisfação do consumidor.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Para famílias que recebem acima de 10 salários mínimos, houve uma retração no índice de Intenção de Consumo em 17,2 pontos avaliando o mês atual com o do mês passado. Isso significa que para as famílias que ganham mais de 10 salários mínimos, o otimismo quanto ao consumo teve uma queda acentuada, desenhando uma “montanha russa” de setembro para cá. O nível de setembro registrava 101,2 pontos; subiu para 111,9 em outubro, e agora caiu para 94,7 pontos em novembro.

Situação do emprego

Apesar de o país apresentar um alto número de desempregados, o sub item da pesquisa que avalia a satisfação do emprego atual na capital mato-grossense mostrou que o índice de satisfação se manteve acima de 100 pontos. De 110,0 em setembro, para 113,1 em outubro e queda em novembro, passando para 106,9 pontos.

Nacional

O ICF nacional mostrou 74,3 pontos em novembro de 2016, crescimento de 0,5% em relação ao mês anterior. Entretanto, em relação a novembro do ano passado, o índice teve uma queda de cerca de dois pontos, já que em novembro de 2015 registrava 76,4.

Para CNC, a demora para que ocorra uma efetiva recuperação do mercado de trabalho e a consequente melhora da situação financeira das famílias tem levado à sustentação de um comportamento cauteloso por parte do consumidor. Como resultado, embora os indicadores de confiança estejam avançando, ainda não existe, de fato, uma retomada do consumo – explica o economista da CNC Bruno Fernandes.

Comente esta notícia