facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 20 de Junho de 2024
20 de Junho de 2024

17 de Dezembro de 2022, 17h:15 - A | A

GERAL / PEDIDO AO STF

MP quer quebra de sigilo de produtor rural que admitiu financiar cacique preso em Brasília

Pedido partiu do chefe do Ministério Público de Mato Grosso nessa quinta-feira (15).

APARECIDO CARMO
DO REPÓRTER MT



O Procurador-Geral de Justiça (PGJ) de Mato Grosso, José Antônio Borges Pereira, pediu ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que determine o bloqueio imediato das contas do produtor rural Mauridis Parreira Pimenta, de Campinápolis, por suspeita de financiamento de atos considerados pelo chefe do MP de Mato Grosso como "antidemocráticos".

Em vídeo divulgado nas redes sociais, Mauridis se apresenta como “Dide Pimenta”, admitiu que ajudou e continua ajudando índios de Mato Grosso a irem para Brasília, inclusive o cacique Serere Xavante, preso desde o dia 12 de dezembro. Na capital federal, os manifestantes protestam contra a diplomação do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Além disso, o produtor rural pediu doações via "Pix" para continuar ajudando na permanência de pessoas em Brasília.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

“Nesse Contexto, identifica-se que MAURIDIS PARREIRA PIMENTA – “Dide Pimenta”, no vídeo em comento, afirma que prestou, com outras pessoas, apoio, tanto para o deslocamento como para manutenção de indígenas em Brasília-DF, para participar dos atos antidemocráticos, motivo pelo qual, salvo melhor juízo, as medidas determinadas por Vossa Excelência em relação a outros organizadores/financiadores dos atos antidemocráticos comportam extensão a ele”, diz o pedido assinado pelo PGJ.

“Até porque, desde a circulação do vídeo nas mídias sociais – por meio do qual são solicitadas doações – não se pode precisar se recursos foram angariados e/ou repassados com o intuito financiar os atos antidemocráticos que pairam na Capital Federal”, prossegue o documento, datado de 15 de dezembro.

O MPMT também pede a quebra do sigilo bancário do produtor “com o fim de identificar outros organizadores/financiadores dos atos antidemocráticos”, e que ele seja ouvido pela Polícia Federal.

O pedido é parte da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) número 519/DF, relatada por Alexandre de Moraes e que tem como alvo as manifestações que bloquearam rodovias em protesto contra o resultado da eleição presidencial, no último dia 30 de outubro.

José Acácio Serere Xavante foi preso na segunda-feira (12), segundo os indígenas, por ordem de Moraes, por participação de atos considerados antidemocráticos. Após sua prisão, manifestantes tentaram invadir a sede da Polícia Federal em Brasília e veículos foram incendiados.

Não há prazo para que o pedido do MP de Mato Grosso seja apreciado.

Veja o vídeo compartilhado por Mauridis Parreira Pimenta nas redes sociais: 

 

LEIA MAIS - Fazendeiro de MT financia cacique preso em Brasília e pede "Pix" para manter ajuda

Comente esta notícia

JORGE LUIZ SGANZERLA 19/12/2022

MP. outra desgraça a desserviço da sociedade. Que venham urgente os militares de demantelem todos esses cargos criados para perpetuar esses togados de colarinho sujo e gravata vermelha.

positivo
0
negativo
0

1 comentários

1 de 1