Cuiabá, 02 de Dezembro de 2022
logo

24 de Novembro de 2022, 08h:47 - A | A

GERAL / AUDIÊNCIA NA AL

Moradores pressionam Prefeitura de Cuiabá por asfalto em 11 bairros: “assina prefeito”

Prefeitura não mandou representantes para discutir razões pelas quais obras de pavimentação ainda não foram iniciadas

DO REPÓRTER MT



Aos gritos de “assina prefeito”, moradores de 11 bairros de Cuiabá participaram de uma audiência pública na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, na noite desta quarta-feira (23.11), para debater as razões pelas quais esses bairros ainda não têm asfalto, apesar de as obras já terem sido licitadas.

A audiência foi convocada pelo deputado estadual Elizeu Nascimento e contou com a presença de líderes comunitários e moradores dos bairros Alto Boa Vista, Novo Tempo, Planalto, Jardim Aroeira, Parque Amperco, Campo Verde, Novo Horizonte, Novo Milênio, Tancredo Neves e Jardim Fortaleza.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

As obras para pavimentação nestes bairros foram licitadas pelo Governo do Estado, mas ainda não receberam autorização por parte da Prefeitura de Cuiabá para ter início. A prefeitura não aceita a licitação realizada pelo Estado e alega que quer fazer um convênio para receber os recursos para executar as obras. De acordo com o Estado, o dinheiro para as obras está no caixa, esperando apenas a autorização da prefeitura.

O presidente em exercício do bairro Novo Milênio, Rosinei Alves de Oliveira, classificou a situação como desumana. “O dinheiro está no caixa, mas a obra não sai por capricho. Misericórdia prefeito”, afirmou.

O Governo de Mato Grosso foi representado pela superintendente de Pavimentação Urbana da Sinfra, Keith Prado, que apresentou o histórico da obra, explicando que a prefeitura apresentou o pedido para uma parceria e protocolou o termo de doação do projeto. Após cinco pedidos de adequações realizados pela Sinfra-MT, todos atendidos pela Prefeitura, o projeto foi aprovado.

Como a prefeitura estava negativada, sem certidões para firmar convênios com o Estado, o governador Mauro Mendes determinou que as obras fossem licitadas pela Sinfra-MT, para que a população não fosse prejudicada.

Após a realização da licitação, a Prefeitura alegou que precisava autorizar o processo e que as obras em dois bairros já teriam sido iniciadas com recursos da prefeitura. Desde agosto, a Sinfra-MT, já enviou três ofícios solicitando autorização da Prefeitura, mas não obteve resposta.

A prefeitura não enviou representantes para a audiência e a superintendente da Sinfra entregou ao deputado Elizeu Nascimento um documento para que o prefeito Emanuel Pinheiro assine a autorização e a obra tenha início.

O deputado Lúdio Cabral, presente na audiência, afirmou que diferenças políticas são normais, mas que não podem jamais prejudicar a vida das pessoas. “Se o problema é só essa assinatura, meu Deus do céu, vamos juntos atrás dessa assinatura”, afirmou.

O líder do bairro Jardim Aroeira, Uemerson Teodoro, disse que estava ali representando muitos moradores que morreram sem ter a oportunidade de ver o asfalto chegar. Moradora do Alto Boa Vista, Zenilde Coelho, conhecida como Dona Zê, lembrou que está na luta por asfalto há 25 anos. “São lutas eternas e não vencidas, 25 anos de esperanças perdidas. Nós queremos asfalto, uma condição melhor de vida. Porque nós merecemos”, afirmou.

Para o deputado Elizeu Nascimento, a indignação da população é justa, porque o recurso já está assegurado. “Precisamos fazer com que o prefeito assine esse documento”, disse. O deputado se comprometeu a pedir assinatura de todos os seus 23 colegas parlamentares e pediu aos presidentes de bairro que façam abaixo-assinados, para serem anexados ao requerimento, como forma de pressionar o prefeito.

Os vereadores da capital, Dilemário Alencar, Cezinha Nascimento e Demilson Nogueira, também se comprometeram a colher assinaturas dos 25 membros da Câmara de Cuiabá.

Um dos últimos a falar na audiência, o presidente do bairro Campo Verde da Esperança, Nélio Vagner, afirmou que os moradores estão dispostos a levar o papel até a prefeitura. “Somos 40 mil moradores nesses 11 bairros e vamos fazer o que for preciso, porque nós precisamos desse asfalto”, finalizou.

Comente esta notícia