facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 23 de Junho de 2024
23 de Junho de 2024

14 de Dezembro de 2022, 18h:55 - A | A

GERAL / IMPACTO NEGATIVO

Emanuel revela perda de R$ 63 milhões com lei que limitou cobrança de ICMS

Cálculo foi feito por técnicos da Secretaria Municipal de Fazenda

DO REPÓRTER MT



O prefeito Emanuel Pinheiro afirmou que os municípios brasileiros estão "pagando um alto preço" por conta da limitação na cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para combustíveis, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo. O destaque foi feito nesta terça-feira (13), em live nas redes sociais.

A medida passou a valer no segundo semestre deste ano, após o presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionar a Lei Complementar 194/2022. Emanuel revelou que, de julho até a primeira semana de dezembro, a Capital deixou de receber R$ 63 milhões, conforme cálculo de técnicos da Secretaria Municipal de Fazenda.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

“Ainda temos os dados oficiais da Associação Mato-grossense de Municípios (AMM), que apontam queda no repasse de R$ 53 milhões. Como suportar isso, com tudo aumentando? Com preços lá em cima e ainda perdendo toda essa receita apenas em um semestre?”, questionou o gestor.

Ele enfatizou ainda que o repasse do ICMS é uma das principais fontes de receita dos municípios e que a aplicação da nova legislação tem impactado também nos estados. De acordo com ele, "todos estão tendo que fazer sacrifícios por conta da redução na alíquota do imposto".

“A queda no repasse do ICMS para os municípios está doendo na alma de todos os gestores municipais, está afetando os estados também. É um sacrifício que, principalmente, os municípios estão vivendo nos últimos seis meses. São coisas que precisam ser discutidas com a população”, pontuou Emanuel.

Comente esta notícia