facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 13 de Julho de 2024
13 de Julho de 2024

29 de Junho de 2024, 17h:50 - A | A

ENTREVISTA / MACONHA EMBURRECE

Médico: Decisão do STF em liberar droga nega a ciência e cria um bando de retardados

Segundo o médico Werley Peres, estudos comprovam que o uso de maconha provoca alterações cognitivas, queima neurônios e diminui o QI.

KARINE ARRUDA
DO REPÓRTER MT



A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em descriminalizar o porte de maconha para uso pessoal tem deixado especialistas preocupados. Isso porque a deliberação da Suprema Corte vem sendo encarada como uma afronta à ciência e a todos os estudos que comprovam os males do consumo dessa droga no Brasil e nos demais países.

Em entrevista ao RepórterMT, o doutor Werley Peres, que é médico da família e pós-graduado em psiquiatria, afirmou que o STF errou em sua decisão, haja visto que a descriminalização do porte é uma forma de facilitar o acesso à maconha. Além disso, para ele, o Supremo falhou em não considerar os estudos que retratam os impactos da droga na saúde dos usuários e dependentes químicos.

“A maconha literalmente queima o neurônio, emburrece, destrói o cérebro do adolescente, do jovem e do adulto que usa [...] Infelizmente, nesse caso, eles erraram porque não é justo, à luz da ciência, condenar nosso jovens a ter um QI menor e aumentar a massa de manobra, talvez a intenção só pode ser essa: aumentar a massa de manobra, que já tá grande demais aqui, e vão criar um bando de retardados”, pontuou o especialista.

Confira trecho da entrevista:

Assista o conteúdo na íntegra:

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Comente esta notícia