Cuiabá, 12 de Agosto de 2022
logo

22 de Dezembro de 2017, 09h:19 - A | A

CONEXÃO PODER / SALÁRIOS DOS SERVIDORES

Secretário descarta iniciar 2018 com pagamentos no mês trabalhado; veja vídeo

Guilherme Muller, secretário de Planejamento do Estado argumenta que a regularização exigiria que o Governo pagasse duas folhas salariais no mesmo mês, o que atualmente o Executivo não tem condições.

DA REDAÇÃO



Em entrevista ao programa Conexão Poder, o secretário de Planejamento do Estado, Guilherme Muller declarou que  o Governo não tem condições de passar a pagar os servidores públicos dentro do mês trabalhado, já no início de 2018.

“Sei te dizer que não vai ser nos próximos meses, porque os recursos sei que são insuficientes”, afirmou Muller.

“Sei te dizer que não vai  ser nos próximos meses, porque os recursos sei que são insuficientes”, afirmou Muller.

A declaração de Muller vai de encontro à expectativa do governador Pedro Taques (PSDB), que previa que a medida fosse possível a partir de fevereiro.

O secretário argumentou que a folha salarial do Executivo é de R$ 680 milhões, portanto o Estado não teria como pagar duas vezes o montante, já no mês de janeiro, para poder regularizar os pagamentos até o dia 31.

"A gente não tem absolutamente condições de fazer nenhuma previsibilidade nesse momento e não dá para criar essa expectativa para o servidor nesse momento”, argumentou.

“Esse é nosso objetivo maior [pagar dentro do mês trabalhado], mas a gente não tem absolutamente condições de fazer nenhuma previsibilidade nesse momento e não dá para criar essa expectativa para o servidor nesse momento”, argumentou.

Muller descarta atraso salarial em 2018. Ele lembra que 80% dos gastos do Governo são com a folha dos servidores e a prioridade da gestão é manter os pagamentos até o dia 10 do mês subsequente.

“ A gente não trabalha com essa hipótese [atraso] porque todo o esforço e prioridade é fazer com que o salário não atrase. É diferente de dizer que a gente vai pagar dia 30”, concluiu.

Clique aqui e assista a entrevista na íntegra.

 

 

Comente esta notícia

Armindo de Figueiredo filho 22/12/2017

Não foi isso que o o Governador disse....Ora Bolas!!! Agora .., que veio o FEX, para folgar e aliviar o Caixa do Estado , vem um dos mandatários do governo e diz o oposto do chefe maior......Ninguém entende esses desmandos...agora fica o questionamento....E as Receitas Próprias do Estado!!!! Vão BOTAR AONDE?????

Márcia 22/12/2017

Todos perdidos.Cada um fala o que convém...nem parece equipe de governo. Não se reúnem? Trabalham separados? Um fala dia 10 , o outro que a partir de Janeiro vai pagar dentro do mês, outro fala em fevereiro e ainda tem aquele que diz que não tem previsão....super sintonia.

Davi 22/12/2017

Péssimo gestor público esse Taques. Escândalo Seduc, escândalo dos grampos, contrato "emergencial" de combustível sem licitação, escândalo FAESPE, ex-coordenador de campanha condenado, ex-secretário de Educação condenado, ex-comandante geral da PM preso, ex-secretário de Justiça preso, ex-chefe da Casa Militar preso.

Cleber 22/12/2017

O Estado não tem condições de pagar dentro do mês trabalhado, segundo Muller; mas pode fazer um calendário de pagamentos para 2018, começando em fevereiro/18 com o dia 05 de cada mês por exemplo; visto que a FEX já recebeu , a Conab também a arrecadação de Janeiro e Fevereiro é alta.

alberto 22/12/2017

Esse secretário é mais um equivocado quanto aos gastos dos servidores. Como é que pode dizer que os gastos com salários chegam aos 80% da receita, se a lei permite apenas 49%. Isso é mais uma tentativa de jogar a população contra os servidores. Ele não cita que mais 90% desses servidores são profissionais da educação, segurança e saúde, indispensáveis à sociedade .

5 comentários

1 de 1