Cuiabá, 29 de Janeiro de 2023
logo

29 de Dezembro de 2014, 15h:59 - A | A

POLÍTICA / CONTRATO DE GESTÃO

Secretários de Taques terão 100 dias para mostrar serviço; 'não é enganar criança', diz novo governador

"É um contrato de gestão que será assinado; não é para inglês ver”, afirmou governador eleito.

ANA ADÉLIA JÁCOMO
DA REDAÇÃO



O governador eleito Pedro Taques (PDT) toma posse do cargo nesta quinta-feira (1), e já anunciou que irá assinar um dia depois um contrato de 100 dias com todos os secretários nomeados.

Segundo ele, trata-se de metas e projetos a serem cumpridos nos três primeiros meses de mandato, e que podem acarretar, no caso da não execução, em demissões dos secretários.

Ele afirmou que as metas são serão “para inglês ver” e muito menos “para enganar criança”, ele disse que irá cobrar produtividade dos novos secretários.

Dados expostos por Taques revelaram que o chefe do Executivo Silval Barbosa (PMDB) deixa um “rombo” de R$ 1,7 bilhão em caixa.

O objetivo agora é realizar ampla reforma administrativa, incluindo extinção e fusão de secretarias, bem como demissões em massa dos comissionados.

“Esse contrato de 100 dias vai funcionar. Não será ‘para inglês ver’, não é pra ‘enganar criança’. Isso é um contrato de gestão que será assinado. Será o primeiro porque eu preciso permitir que os secretários tenham maior conhecimento da máquina, e em 100 dias não terão completamente esse conhecimento, mas isso não significa que algumas metas já possam ser atingidas”, avaliou ele.

Entre os setores mais críticos, o novo governador elencou suas três principais preocupações: a Segurança Pública, Educação, Saúde e as estradas.

No entanto, Taques disse que não acredita em soluções em curto prazo, e deixa claro que serão necessárias drásticas mudanças na gestão das problemáticas pastas. Para cada área, será apresentado um projeto específico.

“O projeto de 100 dias será apresentado dia 2 de janeiro, e existe todo um cronograma para cada uma das pastas, mas sabemos que o resultado acaba sendo mais a médio e longo prazo, vamos fazer um rearranjo e em cada uma das áreas será apresentado um projeto para esses primeiros dias”.

Entre os principais problemas apontados por Taques está, por exemplo, o passivo na folha de pagamento, que chega a R$ 3 bilhões, além da falta controle na assinatura de contratos.

Na gestão do Estado, o déficit com pessoal, dívidas e custeio da máquina chega a R$ 1,7 bilhões, o que significa que faltam R$ 800 milhões para fechar a folha de pagamento e R$ 400 milhões para pagamentos de dívidas diversas que a Lei Orçamentária Anual (LOA) não vai cobrir. 

A arrecadação prevista para 2015 chega a R$ 1,1 bilhão. 

Comente esta notícia

Dornele$ 30/12/2014

Se Taques colocar Shinohara como secretário de esportes, vai ser um tiro no pé. Hoje o esporte se encontra em total abandono, a culpa é desse ai, que foi presidente do Consed/MT (Conselho Estadual de Desporto e Lazer), quando da dupla Laércio e Baiano, serem secretário. Foi no mínimo omisso com tudo de errado da gestão Blairo. Hoje a Bolsa Atleta tem um atraso de cinco anos e quase 10 milhões de reais. Quem era na época o presidente do Conselho e não fez nada? Taques sai fora desse ai!

Paula Gomes 29/12/2014

Vote taxi Adriano PP ea ta doído?

2 comentários

1 de 1