facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 25 de Maio de 2024
25 de Maio de 2024

30 de Novembro de 2010, 11h:11 - A | A

POLÍTICA /

LOA: Galindo encaminha projeto à Câmara



DA REDAÇÃO

O prefeito Chico Galindo (PTB) encaminha nesta semana à Câmara Municipal de Cuiabá a proposta de Lei Orçamentária Anual (LOA) que vai entrar em vigor a partir de 2011. Ontem terminou o prazo dado pelo chefe do Executivo para a equipe de secretários apresentar suas reivindicações e assim ser beneficiadas com mais recursos financeiros para administrar projetos.

Galindo já solicitou a sua equipe que analise a possibilidade de corte de gastos para assegurar investimentos em setores prioritários que são obras de infraestrutura e mobilidade urbana. Ambos projetos são considerados essenciais para garantir Cuiabá na Copa do Mundo de 2014.

Desde que assumiu o cargo, o prefeito tomou medidas drásticas para "enxugar" a máquina pública como a demissão de 100 cargos nomeados para cargos de confiança e 400 contratados. Ainda não está descartada a demissão de outros 500, o que deve gerar uma economia de 1,5 milhão por ano aos cofres públicos.

A estratégia é aumentar a capacidade de investimento do município. Por conta disso, houve o aumento na cobrança do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) com a expectativa de arrecadar uma média de R$ 153 milhões aos cofres públicos.

"Estamos analisando todos os detalhes antes de enviar ao Legislativo a proposta de orçamento. O prefeito está preocupado em garantir investimentos nos setores sociais e conter o máximo de despesas consideradas desnecessárias visando o equilíbrio das contas", afirmou o secretário de Governo Lamartine Godoy.

Pela proposta de orçamento para 2011, a Secretaria Municipal de Infraestrutura ficará com mais de R$ 700 milhões para administrar, o que corresponde a maior capacidade de investimento do staff.

A Secretaria de Trânsito e Transporte Urbano (SMTU) ficará com R$ 100 milhões para aplicar em obras. O duodécimo da Câmara vai ter acréscimo de 10%, elevando para R$ 23 milhões.

Comente esta notícia