facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 22 de Julho de 2024
22 de Julho de 2024

30 de Setembro de 2017, 09h:45 - A | A

POLÍCIA / POR DÍVIDA DE R$ 200 MIL

STF nega soltura a advogado que mandou por fogo em empresário

O advogado sustentou que as decisões que decretaram e mantiveram sua prisão preventiva desconsideraram as garantias previstas, “de não ser recolhido preso, antes de sentença transitada em julgado, senão em sala de estado maior".

DA REDAÇÃO



O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento ao Habeas Corpus, impetrado em favor do advogado José Leonardo Nunes da Costa, que está preso no Centro de Custódia da Capital, desde agosto de 2016, e foi denunciado por homicídio duplamente qualificado.

Ele é acusado de ser o mandante do assassinato do empresário Ednei Martins Silva executado a tiros, cujo corpo foi encontrado no interior de seu automóvel incinerado, em Barra do Garças (500 km a Leste de Cuiabá). O crime teria sido motivado em razão do não pagamento de uma dívida de R$ 200 mil.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

No HC apresentado ao Supremo, a defesa do advogado sustentou que as decisões que decretaram e mantiveram sua prisão preventiva desconsideraram as garantias previstas na Lei 8.906/1994 (Estatuto da OAB), “de não ser recolhido preso, antes de sentença transitada em julgado, senão em sala de estado-maior, com instalações e comodidades condignas, e, na sua falta, em prisão domiciliar”, situação que justificaria a superação da Súmula 691 do STF para fazer cessar o manifesto constrangimento ilegal a que vem sendo submetido.

Com essa argumentação, pediu a concessão do pedido, a fim de converter a prisão preventiva em domiciliar, dada a ausência da sala de estado-maior no estabelecimento prisional.

Em sua decisão, o ministro Barroso assinala que o STF consolidou o entendimento no sentido da inadmissibilidade da impetração de habeas corpus contra decisão que nega provimento cautelar (Súmula 691/STF).

Salienta que, no entanto, o rigor na aplicação desta súmula vem sendo mitigado nos casos de evidente ilegalidade ou abuso de poder, de decisões de Tribunal Superior manifestamente contrárias à jurisprudência do Supremo e de decisões teratológicas (anormais), o que não é o caso dos autos.

A hipótese de que se trata não autoriza a superação do entendimento da Súmula 691/STF. As decisões das instâncias precedentes não são teratológicas ou patentemente desfundamentadas. Ademais, a orientação jurisprudencial do Supremo Tribunal Federal é no sentido de que ‘o recolhimento de advogado em local que, embora não configure sala de estado-maior, possua instalações condignas, não viola a autoridade do que decidido na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 1127’”, afirmou.

O relator do HC acrescentou que, segundo informou o Tribunal de Justiça de Mato Grosso, as instalações do Centro de Custódia da Capital foram submetidas a vistoria conjunta pela Vigilância Sanitária, Ordem dos Advogados do Brasil, Ministério Público e Associação Mato-Grossense dos Magistrados, “concluindo pela possibilidade de recolhimento, naquele ambiente, de presos provisórios que fazem jus à prisão em sala de estado-maior, condicionada a adequações estruturais mínimas cuja execução foi ordenada em julho de 2016".

Leia mais

Advogado manda por fogo em empresário por causa de dívida de R$ 200 mil

Comente esta notícia