Cuiabá, 01 de Outubro de 2022
logo

10 de Agosto de 2022, 19h:15 - A | A

POLÍCIA / RELEMBRE O CASO

Polícia prende sobrinho que ajudou tio a fugir após mutilar genitália da esposa

Rapaz de 23 anos foi preso nesta quarta-feira por descumprir medida protetiva e coagir a vítima.

JOÃO AGUIAR
DO REPÓRTER MT



Um homem de 22 anos foi preso nesta quarta-feira (10), em Colniza (1.065 km de Cuiabá), por descumprir medida protetiva e coagir uma mulher que foi torturada, teve a genitália mutilada e foi mantida em cárcere privado pelo ex-companheiro.

De acordo com a Polícia Civil, o rapaz é sobrinho de José Odair Ildefonso Ribeiro, 42 anos, que está preso desde maio deste ano por tortura, cárcere privado e tentativa de feminicídio, no distrito de Taquaruçu do Norte.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Na época, após a tortura, ele fugiu com a filha do casal, de nove meses, e foi preso dias depois, no meio da mata, onde se mantinha escondido com a família.

Leia mais sobre o caso

Homem espanca, mutila genitália da companheira e foge com a filha de 9 meses

Preso homem que torturou esposa e fugiu com bebê de 9 meses

Homem preso por torturar esposa estava em mata fechada com três crianças

O sobrinho, preso nesta quarta, estaria pressionando as vítimas para que vendessem bens e o valor fosse usado para pagar o advogado de José Odair. O rapaz também é investigado por dar proteção ao tio durante a fuga.

Conforme o delegado de Colniza, Bruno França Ferreira, o agressor estava ameaçando e coagindo as vítimas através do sobrinho. Diante da situação, a Polícia Civil requereu medidas protetivas para as vítimas.

“Aos olhos dos criminosos se faz ainda necessária, além dos outros crimes praticados, a coação para que as vítimas disponham de seu patrimônio para financiar a defesa de seus agressores”, destacou o delegado, considerando a existência de medida protetiva em vigor que impede qualquer contato do autuado com as vítimas.

Áudio e vídeos recebidos pelas vítimas demonstram a coação exercida e o descumprimento das medidas protetivas.

O crime

No dia 14 de maio deste ano a Polícia Civil foi comunicada sobre as agressões praticadas contra a vítima, de 21 anos, no distrito de Taquaruçu do Norte, distante em torno de 250 quilômetros da cidade de Colniza.

Os investigadores solicitaram apoio ao núcleo da PM na região, que seguiu até a casa da jovem e a encontrou com ferimentos, hematomas e uma lesão já infeccionada na genitália. Ela foi socorrida para Colniza, diante do quadro grave de saúde.

Em depoimento à Polícia Civil, a vítima narrou que as agressões tiveram início no dia 13 de maio. Ela e José Odair Ildefonso Ribeiro conviviam maritalmente e ele chegou na casa agressivo, após ingerir bebida alcoólica, quando tiveram uma discussão.

Depois, o agressor começou a sessão de socos e chutes e tentou atirar contra a vítima, como a arma falhou, ele quebrou o cabo da espingarda na cabeça da mulher e depois a mutilou. A irmã da vítima, que também convive com o homem, tentou ajudá-la, mas foi agredida. Ambas foram impedidas de sair da casa para buscar ajuda.

Apenas 24 horas após o início das agressões, quando vizinhos foram à residência e se depararam com a situação de violência, foi possível pedir socorro e acionar a polícia.

Ao perceber a chegada da viatura policial em Taquaruçu do Norte, José Odair fugiu para a mata levando a filha de nove meses.

O delegado de Colniza instaurou o inquérito para apurar os crimes cometidos contra a vítima de tentativa de feminicídio e também as agressões sofridas pela irmã dela.

“As declarações colhidas exames realizados deixam bem claro que o suspeito submeteu a vítima a uma série de agressões físicas e psicológicas, com claro intento de provocar dor e sofrimento a sua companheira, o que foi então evoluindo para uma tentativa de feminicídio”, destacou Bruno França.

Comente esta notícia