Cuiabá, 30 de Janeiro de 2023
logo

08 de Dezembro de 2014, 08h:00 - A | A

POLÍCIA / MATOU BEBÊ DE 1 ANO

Pai continua foragido; testemunhas da morte serão ouvidas nesta semana

Tallys Henrique Piris de Miranda é acusado pela própria esposa, Danyella Jhéssyca Batista dos Santos, 23 anos, de ser o autor do crime

DA REDAÇÃO



O suspeito de matar espancado uma criança de um ano e dez meses em Cuiabá continua foragido da polícia. Tallys Henrique Piris de Miranda é acusado pela própria esposa, Danyella Jhéssyca Batista dos Santos, 23 anos, de ser o autor do crime.

Está previsto para o início desta semana o depoimento de testemunhas do caso para a polícia. 

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

O bebê U.B.G., de apenas 1 ano e dez meses, foi espancado e morreu no Hospital Geral Universitário (HGU), na manhã da última sexta-feira (5), em Cuiabá.

Segundo a mãe da criança, Danyella Jhéssyca Batista dos Santos, de 23 anos, o marido dela, Tallys Henrique Piris de Miranda, que é padrasto da vítima, seria o autor do assassinato. Polícias Militares do 1º Batalhão foram até a casa do casal, no bairro Dom Aquino, na capital, mas não o localizaram.

Por volta da 0h30, Danyella contou aos policiais militares que teria deixado o filho com o padrasto e saiu. Horas depois, quando retornou a residência, encontrou o menino desacordado, com várias lesões e escoriações pelo corpo. Tallys estava na casa, mas não disse o que houve com U.B.G.

Segundo Danyella, a mulher pediu ajuda a uma tia, que mora no bairro vizinho, São Cristóvão, para levar o filho ao hospital. Na unidade médica, a criança chegou em estado grave e morreu no box de emergência. Com a morte, os médicos acionaram a PM.

No hospital, os policiais ouviram a mulher e foram até a casa dela para prender o suspeito, no entanto, ele não foi encontrado.

Danyella deve depor ainda hoje na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Cuiabá, que investiga o crime. 

O corpo da criança foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para fazer o exame de necropsia.

Comente esta notícia