Cuiabá, 31 de Janeiro de 2023
logo

25 de Dezembro de 2014, 16h:58 - A | A

POLÍCIA / "PRESENTE" DE NATAL

Donos da Gráfica Print têm HC expedido pela Justiça e deixam prisão

Empresários são acusados de particpar de esquema de fraude na Secom que movimentou R$ 40 milhões

MAYARA MICHELS
DA REDAÇÃO



Os empresários Fábio e  Dalmi Defanti, donos da Gráfica Print, Jorge Defanti, dono da Gráfica Defanti e um funcionário da gráfica Alessandro Nogueira, ganharam habeas corpus e foram liberados da prisão ainda nesta quinta-feira de Natal (25). Os quatro estavam presos no Centro de Custódia de Cuiabá (CCC) desde o dia 19. A decisão foi assinada pela juíza plantonista Maria Rosi de Meira Borba.

Para a magistrada, não existia motivo para manter o grupo preso, já que outros investigados continuam em liberdade. Além disso, os empresários  se apresentaram espontaneamente na Delegacia Fazendária. “É forçoso concluir que, se não existe motivação para o encarceramento cautelar de um dos agentes, não há como reconhece-las em relação aos demais”, afirma a magistrada, em trecho da decisão.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Os empresários e o funcionário estvam presos mediante a um pedido de prisão preventiva feito pelo promotor Marcos Regenold, após a Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra Administração Pública (Defaz) descobrir a intenção deles, em atrapalhar as investigações da operação ‘Edição Extra’, destruindo HD’s dos computadores da empresa, com todas as informações financeiras. Os advogados dos empresários negam o fato.

A ação policial investiga um suposto esquema de desvio de dinheiro público em processos licitatórios de serviços gráficos no estado. 

Veja também: Acusados em fraude de R$ 40 milhões, donos da Print passam Natal na cadeia

Donos da Gráfica Print se apresentam na delegacia; eles são acusados de atuar em esquema na Secom-MT

Secretário da SAD usou documento falso para comprovar ‘veracidade’ em licitação

 

 

Comente esta notícia

Carlos Carlito 26/12/2014

Se fosse um pobre, mesmo inocente, ia mofar na cadeia até algum defensor público se interessar pela causa e o tirar de la.. isso se a dona justa deixar.. da pra imaginar algum politico envolvido nessa historia preso?

ANA 26/12/2014

É BEM MATO GROSSO

2 comentários

1 de 1