facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 27 de Maio de 2024
27 de Maio de 2024

28 de Julho de 2010, 12h:53 - A | A

POLÍCIA /

Bolivianos são presos com cápsulas de cocaína no estômago

TVCA



A cena se repete. Bolivianos cruzam a fronteira todos os dias com drogas escondidas e muitas vezes, dentro do próprio estômago. É o chamado tráfico formiguinha. Foi assim com Edgar Duran e Izabel Rojas que não sabiam do risco que corriam de morrer de overdose caso alguma das cápsulas estourasse.

Eles estavam num ônibus que trazia passageiros de San Ignácio, na Bolívia e foi parado logo depois de cruzar a fronteira. Os policiais encontraram quase 6 kg de pasta base de cocaína escondidos nos bancos. Eles foram presos junto com outro homem que colocou parte da droga no sapato.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Edgar e Izabel já estavam passando mal por conta da quantidade de drogas que haviam engolido. Eles foram levados ao hospital para fazer um exame de raio-x. O resultado mostrou que eles tinham engolido várias cápsulas de cocaína. Para expelir a droga, eles tiveram que tomar um remédio.

Assim como a maioria dos presos por tráfico de drogas na fronteira, os bolivianos Edgar e Izabel são pobres, estavam desarmados, não tinham antecedentes criminais e foram atraídos pelo dinheiro fácil das grandes quadrilhas do narcotráfico, que usam cada vez mais a estratégia do tráfico formiguinha para escapar da polícia.

Em uma semana de operação conjunta de repressão ao crime na fronteira com a Bolívia, 42 duas pessoas foram presas em flagrante, a maior parte por tráfico de drogas.
A maior apreensão foi feita nesta terça, 27: foram 21 kg de pasta base de cocaína, que estavam escondidos nas portas e no painel de um carro.A droga foi encontrada pela cadela Polly, xodó da Polícia Rodoviária Federal em Mato Grosso.

Os policiais que atuam na fronteira afirmam que é difícil combater o tráfico formiguinha das quadrilhas. Em Brasília, o ministro da justiça, Luiz Paulo Barreto, disse que é preciso aumentar o número de operações na fronteira: “O mais importante é justamente um trabalho permanente de desarticulação do crime organizado. E aí, muito mais do que apreensões, nós vamos conseguir desmontar a estrutura que traz drogas e armas para o país”.

Comente esta notícia