facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 17 de Maio de 2024
17 de Maio de 2024

11 de Outubro de 2010, 12h:09 - A | A

POLÍCIA /

Bancários recusam proposta e greve continua por tempo indeterminado



G1

O Comando Nacional dos Bancários não aceitou a nova proposta salarial apresentada pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) durante as negociações deste sábado (9) e a greve que já dura 11 dias deve continuar, informou a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT).

"O Comando Nacional orienta todos os sindicatos a manterem e ampliarem a greve na segunda-feira, para forçar os bancos a melhorarem a proposta", informou a Contraf em comunicado.

Diante do posicionamento do Comando Nacional, que considerou a proposta insuficiente, os negociadores da Fenaban pediram a suspensão temporária das negociações, para que tivessem tempo de consultar os banqueiros. A retomada ficou agendada para segunda-feira (11), às 11h.

De acordo com a Contraf - CUT, a proposta apresentada pelos bancos neste sábado incluia
reajuste de 9,82% para o piso salarial, 6,5% de reajuste para quem ganha até R$ 4.100 (e um valor fixo de R$ 266,50 para os salários superiores a esse valor).

Foi proposto também 6,5% de reajuste para a PLR e todas as verbas salariais e auxílios.

Paralisação por tempo indeterminado atinge estabelecimentos em todo o país (Foto: Marcos de Paula/AE)Segundo dados da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o país conta com 19.830 agências bancárias. De acordo com a Contraf, essa é a maior greve da categoria bancária nos últimos 20 anos, já que na quinta-feira (7) 8,28 mil agências ficaram fechadas.

A paralisação provocou uma divisão na representação na Fenaban. De um lado, os bancos públicos, que são os mais afetados pela paralisação, têm pressa de chegar a um acordo que atenda os anseios dos trabalhadores, enquanto os bancos privados resistem.

Só que as negociações ocorrem em uma mesa única que define as mesmas cláusulas econômicas tanto para os bancos públicos quanto para os privados. O pior para os bancos públicos é que as greves no setor costumam ser mais fortes e mais longas.

Uma das explicações para o fenômeno é que, no setor privado, os dias parados são descontados dos salários e o medo do desemprego é mais presente. Já os servidores públicos têm estabilidade e os dias parados acabam sendo compensados.

Em São Paulo, onde existe a maior concentração de bancos privados do País, 54% das 667 agências bancárias fechadas ontem pela greve são de bancos públicos - basicamente Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal.

Em outras regiões, a greve nos bancos públicos é ainda mais forte. "É nos bancos públicos que se encontra a mola propulsora do movimento", comentou um executivo de um banco privado, que preferiu não ser identificado.

(Com informações da Agência Estado)

Comente esta notícia