facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 27 de Maio de 2024
27 de Maio de 2024

15 de Maio de 2024, 07h:00 - A | A

PODERES / REFLEXO DAS ENCHENTES NO RS

Conab assegura que não irá faltar arroz: "Se as pessoas comprarem para estocar, aí teremos problema"

Em entrevista ao RepórterMT, Rosa Neide afirmou que, neste momento, o pior dos problemas tem sido a especulação e a desinformação.

RENAN MARCEL
DO REPÓRTER MT



A diretora da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), ex-deputada federal Professora Rosa Neide (PT), garantiu que as enchentes no Rio Grande do Sul não irão causar falta de arroz nos mercados do país. Em entrevista ao RepórterMT, ela afirmou que, neste momento, o pior dos problemas tem sido a especulação e a desinformação.

Rosa Neide buscou tranquilizar a população, mas também emitir um alerta, de que é a corrida desenfreada pela compra do alimento em grandes quantidades que pode gerar um desabastecimento e, consequentemente, resultar no aumento do preço do arroz.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Temos que tranquilizar a população porque não vai faltar arroz.

“Temos que tranquilizar a população porque não vai faltar arroz. Se as pessoas ficarem comprando para estocar, ou quem plantou e colheu não colocar no mercado para especulação, aí sim teremos problema. Mas a quantidade que o país tem hoje de arroz, nos mercados, nas beneficiadoras e colhido, é suficiente. Mesmo com as perdas do Rio Grande do Sul, houve um aumento de 4% na quantidade de arroz produzido no ano passado”, pontuou.

Leia mais - Mercados de Cuiabá limitam quantidade de arroz por cliente e associação prevê alta dos preços

Rosa também comentou sobre a medida provisória publicada pelo governo federal, autorizando a Conab a importar, em caráter excepcional, até um milhão de toneladas de arroz beneficiado ou em casca para recomposição dos estoques públicos, para enfrentar as consequências sociais e econômicas decorrentes das enchentes. "A importação que vamos fazer, ela é preventiva, porque há alertas de continuidade das chuvas no Sul, inclusive em outros estados, como Santa Catarina", ponderou. 

A importação de arroz autorizada pela presidência da República já está em tratativas com a Argentina, o Uruguai e o Paraguai.

Os estoques do arroz importado serão destinados, preferencialmente, à venda para pequenos varejistas das regiões metropolitanas, dispensada a utilização de leilões em bolsas de mercadorias ou licitação pública para venda direta. A autorização é limitada ao exercício financeiro de 2024.

Conforme o presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) André Matos, o Rio Grande Sul já estava finalizando a colheita do arroz quando o desastre climático atingiu a região. Em entrevista à rádio Eldorado FM, do Estadão, ele lembrou que houve um aumento de 7% da área plantada. "O Rio Grande do Sul deverá colher mais de 7 milhões de toneladas, já tem colhido mais de 6 milhões. Então são informações e números que nós queremos passar para os ouvintes da rádio e que não tem nenhum risco, de nenhum tipo de desabastecimento interno. Nós vamos seguir ofertando arroz em volume e qualidade suficiente como nós sempre fizemos", garantiu.

Em nota, o ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro (PSD), reforçou que a iniciativa visa evitar alta nos preços e que o arroz importado não irá concorrer com os agricultores brasileiros, pois o produto comprado no comércio externo deve ser repassado apenas para pequenos mercados.

“Neste momento, a medida vem para evitar qualquer especulação com o preço do arroz. Também já conversei com os produtores para deixar claro que não é para concorrer com o nosso arroz, até porque os produtores já têm para suprir a demanda nacional, porém, tem dificuldade logística. Com a dificuldade logística para abastecer, vem a especulação”, explicou Fávaro. “Não queremos qualquer peso no bolso do brasileiro. Queremos estabilidade e comida na mesa”, disse.

Comente esta notícia

alexandre 16/05/2024

Se ninguem comer arroz, não vai faltar, aqui nao é japão....CONAB regular estoques, faltou gestão....

positivo
0
negativo
0

alexandre 15/05/2024

ta explicado a falta de arroz de 5 kg, é porque já está faltando....

positivo
3
negativo
0

alexandre 15/05/2024

Tá explicado, a falta e limitação de arroz nos mercados..vao faltar e o preço vai explodir...

positivo
3
negativo
0

Gina 15/05/2024

E quem acredita em você e nos petistas em geral? Vocês são traiçoeiros,mentirosos, cruéis. O que vocês querem é que acabar mesmo o arroz dos verdadeiros produtores brasileiros,para obrigar a população a comprar do MST. Acham que somos burros?vocês são más, satanistas

positivo
3
negativo
0

4 comentários

1 de 1