facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 21 de Junho de 2024
21 de Junho de 2024

23 de Dezembro de 2022, 06h:06 - A | A

OPINIÃO / R. COLINI

Neste Natal, dê livros de presente



Acontece muito nessa época do ano, mas também naquelas ocasiões especiais em que procuramos nos tornar presentes na memória de quem gostamos, como os aniversários. A verdade é que todos queremos nos eternizar. Imaginar que alguém vai se lembrar da gente o resto da vida faz parte do nosso desejo do eterno e nos reconforta, talvez mais ainda do que os que foram presenteados.

Daí enfrentamos o dilema e a dúvida: o que devo escolher, qual é o presente que fará alguém querido se lembrar de mim a vida inteira? Um desses presentes acho que está na memória de muita gente: a primeira bicicleta. Lembro dos meus pais carregando o segredo na madrugada da véspera e deixando a bike no meio da sala. Eu escondido espiando e esperando amanhecer para pedalar nas ruas de terra da infância...

Não é qualquer presente que embeleza as paredes de nossa memória dessa forma. Mas quero lembrar que há um tipo de presente que é o mais altruísta do mundo: o livro. Quando você dá um livro, pode até ser que a pessoa não lembre que você o deu, mas o livro irá ganhar vida própria na alma de quem o ler.

É o presente mais individualizado que existe, que vive nas memórias afetivas, imaginação e deslumbramento. É de cada um e somente de cada um. Sobra menos espaço para você, amigo. Haverá um pouco menos de recordações sobre aquele que deu o presente.

Acontece que o livro fala por si, narra sozinho e cria mundos onde o presenteado irá viver e sentir. Por isso, é um presente altruísta que beneficia mais o presenteado do que o presenteador.

É o único presente que aumenta de valor quanto mais velho. Ele marca existências, ajuda a definir quem somos. Como disse o estudioso, Antônio Cândido: o livro é o sonhar acordado das civilizações.

Não deixarei de dar presentes tradicionais, como as bicicletas. Afinal, quero exercer meu direito de ser egoísta e tentar (ah, como é difícil) oferecer presentes inesquecíveis. Não estou sugerindo que você deixe de fazer isso.

Porém, temos nos livros a oportunidade de contribuir com a transformação na vida dos outros sem a expectativa de que eles se lembrem. Isso é altruísmo. E aí, vamos exercitar o desprendimento do ego e presentear quem amamos com livros?

R. Colini é autor de ‘Entre as chamas, sob a água’ e ‘Curva do Rio’.

>>> Siga a gente no Twitter e fique bem informado

Comente esta notícia