Cuiabá, 08 de Fevereiro de 2023
logo

30 de Novembro de 2022, 06h:04 - A | A

OPINIÃO / EDUARDO DE LAMARE

Com é feito o diagnóstico da endometriose



A endometriose é uma doença que acontece quando o tecido endometrial, que reveste a parede interna do útero, e que é eliminado a cada ciclo menstrual, se aloja fora do útero.

Mesmo afetando de 10 a 15% das mulheres em idade reprodutiva (entre 15 e 49 anos), a endometriose demora, em média, sete anos para ser diagnosticada, desde o surgimento dos primeiros sintomas.

Entre os fatores que colaboram de forma significativa para o diagnóstico tardio podemos citar:

Falta de informação, muitos casos assintomáticos, sintomas que se sobrepõem a outros problemas ginecológicos, urológicos e gastrointestinais, a ideia de que ter cólica é algo normal, uso de pílulas anticoncepcionais que, muitas vezes, mascaram os sinais da doença e amenizam a dor, mas não resolvem o problema, exames de imagem não direcionados à pesquisa específica de focos de endometriose, que permitem falhas na detecção da doença.

A importância do diagnóstico precoce
O diagnóstico precoce da endometriose é de suma importância para se evitar condições dolorosas prolongadas, minimizar sequelas, melhorar a qualidade de vida e contribuir para o bem-estar físico e emocional da mulher.Se não tratada, a endometriose pode evoluir para quadros de dor pélvica crônica e, em parte das pacientes, levar à infertilidade.

Como é feito o diagnóstico da endometriose?
O exame clínico é parte fundamental na investigação de endometriose e pode trazer informações valiosas para o diagnóstico.

No entanto, há limitações devido a algumas posições que as lesões podem alcançar, dificultando a detecção ao toque vaginal.

O ultrassom transvaginal com preparo intestinal (mapeamento de endometriose) tem sido a primeira escolha na avaliação da doença por imagem por ser disponível na grande maioria das localidades, ter um bom custo-benefício, apresentar pouco desconforto, não necessitar de sedação ou contraste e acessar todos os possíveis locais comprometidos por lesões profundas.

Já a ressonância magnética da pelve também é valiosa para a avaliação da endometriose e, assim como o ultrassom, deve ser realizada com protocolo específico e ter suas imagens avaliadas por radiologista experiente nesse método, pecando apenas em alguns quesitos como a avaliação de pequenas aderências e focos intestinais.

Assim, com avaliações específicas do ponto de vista clínico, bem como por imagem, o tratamento correto poderá ser indicado.

Geralmente o Mapeamento da Endometriose é solicitado em caso de:

- Cólica menstrual intensa
- Dor pélvica crônica
- Infertilidade
- Dor durante a relação sexual
- Dor ao urinar, sangue na urina
- Dor e distensão abdominal, diarreia ou prisão de ventre, náuseas e vômitos

O exame é realizado com o mesmo aparelho de uma ultrassonografia comum, porém seu preparo envolve a limpeza de intestino, para uma avaliação minuciosa de todas as estruturas da pelve.

Não menospreze os sintomas, mantenha seus exames em dia e mantenha hábito de fazer a rotina ginecológica anual.

Dr. Eduardo De Lamare é médico radiologista e integra a equipe multidisciplinar do Instituto de Endometriose e Cirurgia Minimamente Invasiva de Cuiabá

>>> Siga a gente no Twitter e fique bem informado

Comente esta notícia