Cuiabá, 27 de Novembro de 2022
logo

20 de Dezembro de 2016, 11h:05 - A | A

JUDICIÁRIO / AUTORIDADES FORAM CITADAS

Tribunal de Justiça vai julgar pedido de liberdade de Alan Malouf

Decisão cabe ao TJMT porque o empresário envolveu nomes de autoridades com foro privilegiado, em declarações sobre fraudes na Seduc

RAFAEL DE SOUSA
DA REDAÇÃO



O Tribunal de Justiça do Estado deve decidir, ainda nesta terça-feira (20), se concede a revogação de prisão ao empresário Alan Malouf, preso após ser apontado como um dos líderes do esquema de fraudes a licitações da Secretaria de Educação (Seduc).

A decisão será proferida por um dos desembargadores plantonistas do Tribunal porque a juíza Selma Rosane Arruda, da 7ª Vara Criminal, declinou da competência para analisar o pedido impetrado pela defesa, após o empresário citar várias autoridades com foro privilegiado durante seu depoimento ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), na sexta-feira (16).

Estão escalados para cobrir o recesso forense, que inicia nesta terça-feira (20) e segue até o dia 6 de janeiro, os desembargadores Rubens de Oliveira, Márcio Vidal e Maria Helena Póvoas.

Malouf, está preso há seis dias no Serviço de Operações Especiais (SOE), da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), no bairro Centro América, após deflagração da Operação Grão Vizir - que investiga suposto desvio em contratos de obras da Seduc, que totalizam R$ 56 milhões.

Ao Gaeco, Malouf negou ser o idealizador do sistema criminoso, atribuindo a função ao empreiteiro e delator da Operação Rêmora, Giovani Guizardi.

Segundo Maluf, o delator é quem fazia todas as operações de arrecadação, cobrança e distribuição de propinas.

Dono de um dos buffets mais caros do Estado - o Leila Malouf -, o empresário citou nome de autoridades com prerrogativas de foro, como o governador Pedro Taques (PSDB), o secretário chefe da Casa Civil Paulo Taques, além do deputado estadual Guilherme Maluf (PSDB) e o federal Nilson Leitão.

Comente esta notícia

Honesto 20/12/2016

Diante de toda esta exposição de corrupção, praticada por representante eleitos pelo povo, nós cidadãos, temos que, pensar bem em quem votamos, a mídia tem mostrado com muita clareza os atos de roubalheira, praticada por esses desumanos. Tem sim, que, acabar com o "foro privilegiado", dessa maneira, quem cometer atos de improbidade administrativa, vai pagar a justiça e ao mesmo tempo proibi-lo de assumir cargos públicos.

1 comentários

1 de 1