facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 13 de Junho de 2024
13 de Junho de 2024

23 de Dezembro de 2022, 09h:15 - A | A

GERAL / DESTAQUE

Servidora do HMC é eleita Miss Cuiabá Lady Plus Size

Como Miss Cuiabá Lady Plus Size, ela pretende emplacar a temática em defesa da mulher, alertando contra a violência doméstica.

DO REPÓRTERMT



A servidora do Hospital Municipal de Cuiabá e Pronto-Socorro “Dr. Leony Palma de Carvalho” (HMC), Eliana Paula de Castro, 41 anos, foi eleita na segunda-feira (12), a Miss Cuiabá Lady Plus Size. A Casa Cuiabana foi o local escolhido para realizar o concurso sob a coordenação da agência Anti Padrão.

Eliana concorreu pela categoria lady, com dez candidatas que disputaram em três categorias. “Estou muito feliz com o resultado. O concurso é sério e envolveu muito conhecimento. Foram cinco meses de avaliação até a etapa final. O evento agregou palestras, pontualidade, desfile e oratória”, contou.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Dentre os quesitos avaliativos, o que contou como destaque final, foi a resposta das candidatas referente à pergunta: “As leis são eficazes para amparar as mulheres vítimas de violência doméstica?”

Eliana se sobressaiu diante das demais candidatas, por ter conhecimento no assunto, que tanto é abordado no Hospital Municipal de Cuiabá, via Espaço de Acolhimento à Mulher vítima de violência doméstica.

“Cuiabá é a primeira capital do país a oferecer um Espaço de Acolhimento às Mulheres Vítimas de Violência Doméstica em uma unidade de saúde. Como servidora do HMC tenho conhecimento e já participei de cursos no Espaço de Acolhimento. Hoje o Brasil está no 5º lugar com alto índice de violência doméstica, ainda temos muito a avançar, pois as nossas leis ainda são da década de 80”, lembrou. 

Segundo Eliana, como Miss Cuiabá Lady Plus Size, ela pretende emplacar essa temática em defesa da mulher. “A administração municipal de Cuiabá está fazendo a sua parte, acolhendo vítimas de violência doméstica no momento de fragilidade. Eu entendo essa necessidade, pois já sofri violência doméstica. Essa situação desencadeia vários outros problemas como depressão e ansiedade, é necessária uma equipe multiprofissional para resgatar a dignidade dessas mulheres. Como mãe, eu ensino meu filho desde pequeno a respeitar as mulheres, e a ter empatia com as outras pessoas”, destacou. 

 

Eliana é formada em Saúde Coletiva. Ela atua no HMC há três anos, e ocupa a função de acolhedora noturna no setor de Urgência e Emergência. 

Comente esta notícia