Cuiabá, 27 de Novembro de 2022
logo

16 de Novembro de 2016, 08h:17 - A | A

GERAL / LAGOA TREVISAN

Morre aluno do Corpo de Bombeiros que passou mal após treinamento

Rodrigo Claro, que treinava para ser soldado da corporação, estava internado desde o dia 11 de novembro no Hospital Jardim Cuiabá, após o treinamento na Lagoa Trevisan. Quando internado, o quadro do aluno era de aneurisma cerebral.

LUIS VINICIUS
DA REDAÇÃO



Rodrigo Claro, 21 anos, que era aluno do Corpo de Bombeiros e treinava para ser soldado da corporação, morreu na madrugada desta quarta-feira (16), após cinco dias internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), do Hospital Jardim Cuiabá. Ele foi hospitalizado no dia 11 de novembro, após passar mal, supostamente por esforço excessivo, em um treinamento do curso realizado na Lagoa Trevisan, no município de Várzea Grande. A informação foi confirmada pela coordenação do hospital.

Ele realizava uma travessia a nado na lagoa com os demais companheiros de curso. Ao chegar à margem do lago, reclamou que não conseguia continuar a instrução porque estava com muita dor de cabeça.

 

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Rodrigo Claro estava há cerca de um ano no curso. Na ocasião, a corporação informou que durante etapa do curso de formação de soldados,o aluno se queixou de dor de cabeça, no momento da instrução de salvamento aquático.

Ele realizava uma travessia a nado na lagoa com os demais companheiros de curso. Ao chegar à margem do lago, reclamou que não conseguia continuar a instrução porque estava com muita dor de cabeça.

O jovem teria, supostamente, passado por uma sessão de afogamento. Quando estava no batalhão da corporação, localizado no bairro Verdão, ele teria e queixado novamente de dores e foi levado para a Policlínica que fica próxima da unidade. Em seguida, após a liberação da família, foi encaminhado para um hospital Jardim Cuiabá. O quadro de Rodrigo Claro era de aneurisma cerebral.

De acordo com o instrutor da matéria de salvamento aquático, Rodrigo vinha apresentando os mesmos tipos de sintomas quando era submetido aos esforços exigidos para os treinamentos, não só

aluno bombeiro

 Aluno morreu após passar mal em treinamento na Lagoa Trevisan

na matéria específica, mas também em outras atividades que demandavam esforços.

A corporação determinou a abertura de um procedimento administrativo para apuração dos fatos.

Corpo não liberado

Após a morte de Rodrigo, familiares do aluno foram até o Instituto Médico Legal (IML), para fazer a liberação do corpo. Mas devido à falta de luvas cirúrgicas estéreis, o procedimento de necropsia ainda não havia sido realizado até às 7h30 desta manhã.

No mês passado, o corpo do radialista Ademir Rodrigues demorou mais de dez horas para ser liberado em razão da ausência do material. À época, a assessoria da Polícia Técnica informou que um lote já havia sido adquirido e que as luvas, posteriormente, ao recebimento seriam disponibilizadas para os profissionais.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) que o exame de necrópsia já está sendo feito, mas, em razão da circunstância da ocorrência, há necessidade de um procedimento mais criterioso. 

Veja a nota do Corpo de Bombeiros

O Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso vem a público esclarecer fatos ocorridos durante etapa do Curso de Formação de Soldados, realizada nesta semana em Cuiabá.

Nesta quinta-feira (10.11), durante instrução de salvamento aquático na Lagoa Trevisan, o aluno Rodrigo Claro queixou-se de dor de cabeça ao seu instrutor. O aluno realizava uma travessia a nado na lagoa com os demais companheiros de curso, com toda a estrutura de segurança exigida para o evento. Quando chegou à margem do lago, reclamou que não conseguia continuar a instrução porque estava com muita dor de cabeça.

Em seguida, foi liberado para retornar ao Batalhão, onde deveria apresentar-se à coordenação do curso para explicar o problema de saúde ocorrido. Ao chegar ao Batalhão, Claro foi encaminhado à policlínica do Verdão, que fica em frete ao quartel, acompanhado por um bombeiro do curso, onde foi atendido.  Enquanto era medicado, sofreu uma convulsão.

Após isso, com o conhecimento dos pais, ele foi transferido para o Hospital Jardim Cuiabá, onde foi diagnosticado com aneurisma cerebral, passou por cirurgia e segue internado na Unidade de Terapia Intensiva.

O Corpo de Bombeiros Militar está prestando todo o apoio ao militar e sua família e se coloca à disposição para prestar outros esclarecimentos, se necessário.

Ainda de acordo com o instrutor da matéria de salvamento aquático, o aluno vinha apresentando os mesmos tipos de sintomas quando era submetido aos esforços exigidos para os treinamentos, não só na matéria especifica, mas também em outras atividades que demandavam esforços.

Mesmo assim, o comandante-geral da instituição, determinou a abertura de um procedimento administrativo para apuração dos fatos.

Comente esta notícia

Soldados indignados 16/11/2016

Mais na estatística Mais um oficial que em breve receberá sua condecoração como aconteceu com todos os outros que mataram soldados foram promovidos Da nada não E o que sempre ouvimos Teve o caso de caceres O de manso Agora esse é talvez tenham outros que não lembro

1 comentários

1 de 1