Cuiabá, 12 de Agosto de 2022
logo

01 de Julho de 2022, 19h:00 - A | A

GERAL / VEJA COMO

Mais de 190 mil famílias de MT podem ter até 65% desconto na conta de luz

De acordo com a Energisa, só em Cuiabá são 36 mil clientes que podem ter acesso a Tarifa Social.

JOÃO AGUIAR
DO REPÓRTER MT



Dados da Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (SETASC) e da Energisa apontam que mais de 190 mil famílias de Mato Grosso podem ter acesso à Tarifa Social de Energia Elétrica.

O benefício concedido pelo Governo Federal dá descontos entre 10% e 65% na conta de luz, dependendo da faixa de consumo.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

>>> Receba notícias no Telegram e fique bem informado

Segundo a Energisa, só em Cuiabá mais de 36 mil famílias podem ter o desconto, mas estão com pendência de informações. A estimativa é feita a partir dos dados compilados junto às prefeituras.

Leia também

Baixa alíquota do ICMS reflete diretamente no preço do etanol na bomba

“Muitas pessoas se enquadram nas exigências e recebem os benefícios do governo. Porém, não são os titulares da conta ou não estão com dados atualizados. Isso dificulta o cadastro automático na distribuidora”, disse Murilo Marigo, gerente de serviços comerciais da Energisa em MT.

Além da capital, os municípios de Várzea Grande, Rondonópolis, Sinop e Cáceres são os que mais possuem clientes em potencial, ou seja, que recebem o benefício do governo, mas ainda não estão cadastrados na concessionária para receber o desconto de até 65% na conta de energia.

Mais informações podem ser obtidas pelo site www.energisa.com.br ou pelo telefone: 0800-646-4196

Quem tem direito?

- Inscritos no Cadastro Único (cadÚnico) para programas sociais do governo federal com renda mensal menor ou igual a meio salário-mínimo por pessoa.

- Inscritos no cadÚnico com renda de até três salários-mínimos e que sejam portadores de doenças ou deficiência que necessite de tratamento continuado usando aparelhos que demandem do uso de energia elétrica.

- Famílias indígenas ou quilombolas.

- Famílias inscritas no Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC), ou seja, idosos com idade de 65 anos ou mais e deficientes, cuja renda mensal familiar per capita seja inferior a ¼ do salário-mínimo.

Comente esta notícia