Cuiabá, 09 de Dezembro de 2022
logo

09 de Dezembro de 2016, 17h:07 - A | A

GERAL / BARATO QUE SAI CARO

Equipe do Cuiabá também teria usado avião que caiu com time da Chapecoense

Clube da Capital teria usado empresa quando disputou a Copa Sulamericana este ano, segundo o procurador-geral da Bolívia, Ramiro José Guerrero

DA REDAÇÃO



O procurador-geral da Bolívia, Ramiro José Guerrero, disse em entrevista à rádio Digital Blu que 25 times utilizaram a empresa aérea Lamia entre agosto e novembro deste ano. Entre os clubes citados estão sete brasileiros: Sport, Chapecoense, Cuiabá, Figueirense, Flamengo, Vitória e Coritiba.  A informação é do Portal UOL. 

Segundo a reportagem, além da Chape, Flamengo e mais quatro equipes voaram com a empresa boliviana para seus compromissos pela América do Sul. 

"Não viajaram só os clubes, mas também seleções como Venezuela, Bolívia e Argentina", completou o procurador, que ainda confirmou que está investigando se existia alguma recomendação da Conmebol para as equipes contratarem a empresa. O time do Coritiba desmentiu as declarações, alegando que apenas foi feita uma tomada de preços, no mês de outubro, mas acabou optando por voo comercial.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Apesar de ter sido citado pelo procurador boliviano, o Flamengo negou que já tenha utilizado os serviços da Lamia. O único voo internacional do clube no período foi um fretado pela GOL para o jogo contra o Palestino na Copa Sul-Americana.

O avião da Lamia que transportava a delegação da Chapecoense caiu no dia 29 de novembro nas imediações de Medellín, onde o time disputaria a final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional. 71 pessoas morreram a apenas seis sobreviveram.

O procurador Ramiro José Guerrero participa das investigações que estão sendo realizadas em conjunto entre Bolívia, Colômbia e Brasil. Segundo ele, importantes avanços já foram feitos, como na detenção do diretor-geral da Lamia, Gustavo Vargas Gamboa.

Ele enfrenta acusações por supostos crimes de homicídio culposo, lesões gravíssimas, prevaricação, abuso de influência e desastre em meios de transporte.

Ramiro José Guerrero destacou que os clubes em questão serão contatados pelas procuradorias de cada país para detalhar como era feita a contratação do serviço.

"Um voo, em outras companhias aéreas, custa entre US$ 150.000 e US$ 200.000. Essa companhia cobrava entre US$ 80.000 e US$ 100.000", complementou. 

Veja a lista de clubes citados pelo promotor.

Brasil
Sport
Flamengo
Chapecoense
Cuiabá
Figueirense
Vitória

Venezuela
La Guaira

Colômbia
Atlético Nacional
Atlético Junior

Equador
Emelec

Argentina
Estudiantes
Belgrano de Córdoba
Lanús
Independiente
Banfield
San Lorenzo

Bolívia
Blooming
Real Potosí

Paraguai
Cerro Porteño
Sol de América

Peru
Real Garcilaso
Huancayo

Chile
Palestino

Uruguai
Montevideo Wanderers

Comente esta notícia