Cuiabá, 16 de Agosto de 2022
logo

06 de Agosto de 2022, 16h:10 - A | A

CONEXÃO PODER / MATOU AGENTE A TIROS

Cattani diz que Paccola não é ameaça à sociedade: "Se precipitou um pouquinho"

O deputado estadual Gilberto Cattani afirmou que a namorada quem provocou a morte de "Japão".

LEANDRO MAIA
DO REPÓRTER MT



O deputado estadual Gilberto Catanni (PL) saiu em defesa do vereador Marcos Paccola (Republicanos) e afirmou que ele “não é uma ameaça para a sociedade”. Em entrevista ao Repórter MT, Cattani disse que Paccola "se precipitou um pouquinho" ao atirar pelas costas e matar o agente socioeducativo Alexandre Miyagawa, o Japão, ao interferir em uma confusão na rua, em 1º de julho.

“O policial tem ali 2 ou 3 segundos para tomar uma atitute. Porque, se a pessoa se vira, pode ser ele a vítima. Ele (Paccola) não sabia quem era, não sabia que era o Japão, não sabia que era um policial penal. Não sabia nada. Mas o que estava na frente dele era uma mulher saindo de uma confusão e um homem indo atrás dela com uma arma. Aí, o Paccola 'abre fogo'", disse.

Para o deputado, quem deveria ser responsabilizada pela morte de Japão, é a namorada dele, Janaína Sá.

"Só estão enxergando um pedaço da história. Uma mulher embriagada entrou em uma via pública, em alta velocidade, na contramão, bateu em um motoqueiro. Tudo isso está no vídeo. Brigou com a maioria dos transeuntes... Ela foi atravessar a rua, esse um (Japão) que brigou com ela, tirou a arma, ergueu e depois abaixou a arma e foi para o lado dela. Nisso, chega uma pessoa, que é um tenente coronel da polícia, e vê a situação. Ele viu claramente uma pessoa armada indo em direção a uma mulher. O que ele pensou? 'O cara vai matar a mulher'", argumentou.  

Cattani, inclusive, defende o direito de os parlamentares participarem armados das sessões em plenário da Assembleia Legislativa de Mato Grosso. Um dos motivos, segundo ele, seria que o Poder Legislativo não teria condições de garantir a segurança dos deputados. 

"A Assembleia não consegue (garantir a segurança), nem o Estado em si, nem a Polícia Militar  junto com a Polícia Civil, com a Polícia Metropolitana. Você pode juntar todas as forças de segurança. Elas não vão te dar a segurança 100% se alguém quiser tirar a sua vida", defendeu.

Na semana passada, Paccola foi denunciado pelo Ministério Público do Estado e a Justiça o tornou réu por homicídio qualificado. Ele é acusado de atirar em Japão pelas costas, sem dar qualquer chance de defesa. Além disso, também teve o porte de arma suspenso.

 

Comente esta notícia

MARIA AUXILIADORA 08/08/2022

"se precipitou um pouquinho" e deu 3 tiros nas costas de uma pessoa que, por estar de costas, não lhe oferecia risco. Essa turba bolsonarista é a prova inequívoca que nem todos os humanos trilharam a linha evolutiva na mesma velocidade. Alguns pararam na idade média e de lá não querem sair.

Fenix 06/08/2022

CATTANI, PACCOLA, MEDEIROS, BOLSONARO E TODOS AQUELES QUE DEFENDEM ARMAMENTO E PENA DE MORTE DEVEM SER EXTIRPADOS DA POLITICA BRASILEIRA. RESPEITO E RECONHECO A IMPORTANCIA DA POLICIA MILITAR E DAS FORCAS ARMADAS BRASILEIRAS, CONTUDO REPUDIO INGRESSO DE MILITARES NA POLITICA, COM EXCESSAO DAQUELES QUE SE DESVESTEM DO AUTORITARISMO E TORNAM SE CIDADAOS RESPEITOSOS AO PRINCIPIO DO CONTRADITORIO E DA AMPLA DEDESA.

Luiza 06/08/2022

Se "precipitou um pouquinho". Resultado: Ceifou uma vida humana. Imagina se tivesse precipitado um pouco mais, qual seria o resultado?

3 comentários

1 de 1