Cuiabá, 02 de Outubro de 2022
logo

02 de Dezembro de 2013, 10h:00 - A | A

CIDADES / ATIVIDADE INSALUBRE

Peritos criminais de MT param por um dia para cobrar pagamento de adicional

A paralisação será incialmente de apenas um dia, mas a categoria discutirá se vai aderir ao movimento de greve

ALINE FRANCISCO
DA REDAÇÃO



Os peritos criminais do estado decidiram paralisar todas as suas atividades na próxima quarta-feira (04). A data foi escolhida como um gesto simbólico, pois é reconhecida como o Dia Nacional do Perito Criminal. No entanto, a categoria se mantém em estado de assembleia permanente e não descarta a possibilidade de prorrogar os dias de paralisação.

Os peritos vão organizar um movimento para mostrar os fatores que dificultam o trabalho, como estrutura precária, falta de equipamentos, redução do orçamento em 2014 para a área de Segurança Pública, o não pagamento da insalubridade e reajuste salarial.

“Nós recebíamos a insalubridade até 2000, quando o Governo decidiu pagar o chamado subsídio, que engloba vários adicionais, inclusive a insalubridade. Mas por lei a insalubridade é um caso a parte”, explica o presidente do Sindicato dos Peritos Oficiais Criminais de Mato Grosso (Sindpeco/MT), Márcio Godoy.

Godoy aponta ainda que as atividades da Perícia são altamente insalubres, pois os profissionais se expõem a perigos diversos, como contato com alta tensão, além de sangue e outros materiais biológicos e químicos. “Nosso trabalho é altamente complexo, pois é a partir do laudo pericial que se pode incriminar ou absolver acusados”.

Godoy explica que no ano passado, a categoria conversou com o secretário de Estado de Administração da época, César Zílio, que se comprometeu por escrito a tratar de certas questões este ano, dando prioridade aos peritos na negociação. No entanto, nada foi feito até o momento. “Parece que não há continuidade da gestão. Tivemos que recomeçar as discussões do zero!”, comenta indignado.

A previsão de orçamento é outro ponto questionado pelos servidores. Em 2013, o valor destinado à Politec foi de cerca de R$ 5 milhões. Segundo Godoy, em 2014, o orçamento será reduzido pela metade.

No dia D da paralisação a categoria se reunirá novamente para deliberar se continua ou não paralisada.

 

Comente esta notícia