facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 17 de Julho de 2024
17 de Julho de 2024

13 de Junho de 2010, 14h:42 - A | A

VARIEDADES /

Entenda o projeto que prevê injeção de dinheiro do governo na Petrobras

G1



Ligia Guimarães
Do G1, em São Paulo
Foi aprovado no Senado e aguarda sanção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva o projeto de lei que prevê que o governo injete dinheiro na Petrobras a fim de reforçar  o caixa da estatal e preparar a empresa para explorar o petróleo localizado nas reservas do pré-sal, em águas ultraprofundas. O projeto é um dos quatro que compõem o marco regulatório do petróleo idealizado por uma equipe de ministros do governo Lula.

Se for aprovado pelo presidente Lula, a Petrobras terá, sem precisar disputar uma licitação, o direito de explorar volume de até 5 bilhões de barris que estejam em áreas do pré-sal que ainda não foram concedidas e nem delimitadas. Lula pode vetar o texto do projeto, aprovar totalmente ou parcialmente.

Segundo o relator do projeto, senador Delcídio Amaral (PT-MS), a estimativa considerada durante os debates no Senado foi de que a capitalização levante um valor estimado entre US$ 15 e US$ 25 bilhões  junto aos acionistas minoritários. Não há, no entanto, número definido ainda.

>> Clique aqui e participe do grupo de WhatsApp 

"Esse valor previsto será amarrado pela Petrobras em assembléia com os acionistas", afirmou  ao G1 o senador, que prevê que o texto que define a capitalização seja sancionado pelo presidente.

Nesta sexta,  o jornal "Valor" publicou reportagem informando que o volume final da capitalização da Petrobras deve ficar ao menos entre US$ 50 bilhões e US$ 60 bilhões, na avaliação de analistas.

Em nota, a Petrobras afirmou que não confirma as informações divulgadas pela imprensa sobre o valor levantado no processo de capitalização da companhia. Segundo a empresa, comentários sobre o montante, o cronograma e a estrutura da oferta "constituem mera especulação".

 

Comente esta notícia