facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 25 de Maio de 2024
25 de Maio de 2024

05 de Agosto de 2010, 22h:16 - A | A

POLÍTICA /

Juiza cassa mandato de Evengelista na Câmara da Capital



Patrícia Sanches e Laura Nabuco

A juíza da 55ª Zona Eleitoral Ana Cristina Silva Mendes cassou o mandato do vereador cuiabano e presidente municipal do PPS Ivan Evangelista. Ele é pré-candidato a uma das 24 vagas de deputado estadual e foi condenado por ter comprado votos durante o pleito de 2008. Conforme denúncia  feita por uma estagiária da secretaria de Trânsito e Transportes Urbanos (SMTU) à Ouvidoria do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), o crime eleitoral foi cometido em nome de Evangelista pelo líder comunitário, Wellington de Oliveira Santos, que ameaçava demitir os estagiários que não votassem no parlamentar. Indicação de Evangelista, Wellington supostamente trabalhou na pasta por apenas 15 dias, sem contrato nem remuneração. Além de determinar a cassação do mandato do parlamentar a juíza o multou em R$ 21,2 mil.

Segundo a ação judicial, Evangelista também foi o responsável pela indicação do então secretário Elismar Bezerra (PPS), que hoje comanda a pasta de Trabalho e Desenvolvimento Econômico . Aliado de Evandgelista, Elismar teria facilitado a indicação de Wellington ao cargo na SMTU.

A estagiária, autora da denúncia, relatou ainda que Wellington disse que ela só continuaria na secretaria se transferisse o seu títutlo para Cuiabá e votasse em Evangelista. Outras três funcionárias reforçaram a denúncia, enfatizando que o interlocutor do parlamentar tentava convencê-las também a promover reuniões em suas casas, para que seus familiares creditassem votos a ele. 

Alguns estagiários, inclusive, chegaram a ser demitidos. No lugar deles foram contratados filhos de pessoas vinculadas ao PPS. Em sua decisão, a magistrada salientou que o afastamento de Wellington da secretaria, antes da efetivação do contrato, aconteceu por causa da denúncia da estagiária. Em depoimento, tanto Evangelista quanto Wellington se declararam inocentes. O líder comunitário garantiu até que na época tralhava com locutor e mestre de cerimônias.

 

fonte: RD

Comente esta notícia