Cuiabá, 29 de Novembro de 2022
logo

17 de Novembro de 2016, 10h:15 - A | A

POLÍCIA / "CARGA PRENSADA"

Quadrilha usava caminhões para 'abastecer' tráfico de maconha em MT, MS e RO

A Operação Três Estados, da Polícia Civil, prendeu 15 traficantes. A quadrilha buscava a maconha na divisa de Mato Grosso do Sul com o Paraguai, trazia para Mato Grosso e fazia a distribuição para traficantes de Cuiabá e VG.

DA REDAÇAO



A Delegacia Especializada de Repressão a Entorpecentes, da Polícia Civil, prendeu 15 traficantes, na manhã desta quinta-feira (17), durante a operação "Três Estados". A ação tem o objetivo de desarticular uma organização criminosa que abastecia o comércio ilícito de entorpecente na Região Metropolitana e que transportava a droga para o estado de Rondônia.

"É uma quadrilha que trabalha com abastecimento de drogas na Grande Cuiabá. Eles compravam cargas grandes e abastecia outros traficantes e ainda remetiam para alguns municípios de Rondônia", disse o delegado Juliano Carvalho, titular da DRE.

A operação denominada "Três Estados" faz referência aos estados de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Rondônia. A quadrilha buscava a maconha na divisa de Mato Grosso do Sul com o Paraguai, trazia para Mato Grosso e fazia a distribuição para grandes e pequenos traficantes, donos de bocas de fumo de Várzea Grande e Cuiabá. Eles ainda tinham uma forte logística para o envio de droga a alguns municípios de Rondônia.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

Ao longo da investigação que foi iniciada há quatro meses, duas grandes apreensões de maconha foram realizadas, materializando a investigação de provas contra os traficantes. A primeira ocorreu no dia 25 de agosto, depois de 12 horas de vigilância policial que resultou na apreensão de 300 tabletes de maconha, que pesados totalizaram em 215 kg.

"Eles compravam a droga e em troca davam veículos. Faziam as negociações para trazer a droga de Mato Grosso do Sul e levar para Rondônia, geralmente em caminhões. As mulheres trabalhavam na distribuição em Várzea Grande, onde abasteciam o tráfico doméstico, as bocas de fumo", detalhou o delegado Murta.

A droga estava dentro da cabine de uma carreta Mercedes Bens, abordada na BR 364, e distribuída em oito sacos O motorista do veículo, Marcos Gonçalves Félix, 40, foi abordado próximo ao posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), depois de ser acompanhado desde a Serra de São Vicente. Ele vinha do município de Rondonópolis (210 km de Cuiabá).

A segunda apreensão foi em 29 de agosto, quando 105 tabletes, equivalente a 90 kg, foram encontrados dentro de um caminhão, entre uma carga de colchões. O caminhão também foi abordado na BR 364, saída de Cuiabá.  O motorista, José Carlos Lemes da Silva, 40, foi autuado em flagrante pelo crime de tráfico de drogas, e confessou que levaria a droga para Rondônia.

As investigações começaram após o assassinato de Edésio Fonseca do Nascimento, 50, no dia 11 de fevereiro de 2016, na Avenida Historiado Rubens de Mendonça (Av. do CPA). Ele estava em uma motocicleta junto com um homem de 28 anos, que também foi assassinado.

Cerca de duas semanas depois, no dia 29 de fevereiro, a mãe do traficante, Alzira do Nascimento Fonseca, foi morta a tiros em frente a casa, na Rua 12, no bairro da Manga, em Várzea Grande.

"A DRE passou a receber denúncias sobre o grupo que atuava na região do Cristo Rei e da Manga, que estaria dando continuidade às atividades que antes eram chefiadas por Edésio", explicou o delegado, Ferdinando Frederico Murta.

"ESCAMBO DO TRÁFICO"

Nas investigações, conduzidas pelo Núcleo e Inteligência, e coordenadas pelo delegado e equipe operacional, os policiais descobriram que o grupo adquiria veículos com o dinheiro do tráfico e com eles montaram um esquema grande de abastecimento de drogas nas bocas de fumo da região, principalmente do bairro da Manga e Cristo Rei.

"É uma quadrilha que trabalha com abastecimento de drogas na Grande Cuiabá. Eles compravam cargas grandes e abastecia outros traficantes e ainda remetiam para alguns municípios de Rondônia", disse o delegado Juliano Carvalho, titular da DRE.

Entre os presos na operação desta quinta-feira, estão quatro membros da família de Edésio. As irmãs Izianne Paes de Barros Campos e Irianne Nascimento Paes de Barros Carvalho, filhas da Azira do Nascimento Fonseca, e seus maridos Maurício de Carvalho (casado com Irianne) e Anderson Marcelo de Campos (marido da Izianne).

Os acusados, Maurício de Carvalho, juntamente com Reinaldo dos Santos, conhecido como "Quitão", e Janderson dos Santos Lopes Maurício, o "Cowboy", formam a liderança da organização.

"Eles compravam a droga e em troca davam veículos. Faziam as negociações para trazer a droga de Mato Grosso do Sul e levar para Rondônia, geralmente em caminhões. As mulheres trabalhavam na distribuição em Várzea Grande, onde abasteciam o tráfico doméstico, as bocas de fumo", detalhou o delegado Murta.

Na operação "Três Estados" foram apreendidos, além dos 310 quilos, durante a investigação, uma granada de uso restrito do Exército Brasileiro, R$ 26 mil, vários veículos comprados com dinheiro do tráfico.

 

 

Comente esta notícia