facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 23 de Junho de 2024
23 de Junho de 2024

06 de Novembro de 2022, 12h:00 - A | A

POLÍCIA / INJUSTIÇA

Homem denuncia ladrão de “pele clara e loiro”, mas negro é condenado

Ministro Ricardo Lewandowski, do STF, negou habeas corpus e manteve condenação do homem negro

TÁCIO LORRAN
METRÓPOLES



Um homem negro foi condenado a mais de cinco anos por roubo, mesmo tendo a vítima alegado na delegacia que o ladrão seria “de pele clara e loiro”. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski mantiveram a condenação dele.

O roubo teria acontecido em abril de 2016, na cidade de Campos Novos, Santa Catarina.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

A vítima relata que andava a pé na rua, de noite, quando foi abordada por dois criminosos – que a derrubaram, a agrediram e roubaram seu relógio e dinheiro. Na delegacia, ela deu nome e sobrenome de um dos indíviduos. Sobre o comparsa, disse que o conhecia, mas não lembrava o seu nome. Passou, então, a descrevê-lo: “Era entroncado, de estatura baixa, loiro e de pele clara”.

Ainda no depoimento, os policiais apresentaram a foto de Jorge, que na época tinha 20 anos. Jorge é magro, tem a pele escura e o cabelo preto.

Apesar disso, a vítima do roubo afirmou se tratar do outro ladrão, mesmo tendo descrito, momentos antes, um homem completamente diferente – “pele clara e loiro”. Jorge foi preso e, em abril de 2019, condenado a 5 anos e 4 meses em regime semiaberto pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC).Leia mais em METRÓPOLES

Comente esta notícia