facebook-icon-color.png instagram-icon-color.png twitter-icon-color.png youtube-icon-color.png tiktok-icon-color.png
Cuiabá, 13 de Julho de 2024
13 de Julho de 2024

20 de Junho de 2024, 14h:25 - A | A

OPINIÃO / VALDINEY DE ARRUDA

Estilo e qualidade de vida no mundo contemporâneo e a sustentabilidade

VALDINEY DE ARRUDA



Imagine um mundo onde a busca incessante por bens materiais e a tecnologia ditam o ritmo da vida. Este é o cenário do mundo contemporâneo, onde o estilo de vida de muitas pessoas é definido pelo consumismo e pela constante necessidade de se conectar digitalmente. No entanto, este ritmo acelerado e materialista tem profundas implicações na qualidade de vida e na saúde do nosso planeta.

Maria, uma jovem profissional, começa seu dia navegando pelas redes sociais e é bombardeada por anúncios de novos produtos que prometem felicidade e sucesso. Ela acredita que alcançar a felicidade depende da aquisição desses produtos. Esse ciclo de compra e descarte não só afeta seu bem-estar psicológico, gerando ansiedade e estresse, mas também tem um impacto negativo no meio ambiente. A produção excessiva de resíduos e a exploração insustentável de recursos naturais comprometem a qualidade do ar, da água e do solo.

João, um executivo ocupado, passa a maior parte do dia sentado em frente ao computador. A falta de atividade física regular e uma dieta pobre em nutrientes agravam problemas de saúde como obesidade e diabetes. Ele percebe que seu estilo de vida sedentário está prejudicando sua saúde física e mental. A pressão para alcançar padrões de sucesso material e a constante exposição às mídias sociais só aumentam sua ansiedade e depressão.

Por outro lado, Ana, uma aposentada, descobre através do Estudo sobre o Desenvolvimento Adulto da Universidade de Harvard (Study of Adult Development) que a chave para uma vida plena e saudável não está na riqueza material, mas na qualidade das experiências e relações. Este estudo, iniciado em 1938 com 700 jovens, entre estudantes da universidade e moradores de bairros pobres de Boston, agora acompanha mais de mil descendentes dos participantes originais, monitorando seu estado mental, físico e emocional.

A descoberta principal do estudo é que relações interpessoais de qualidade são o fator mais importante para a felicidade e saúde ao longo da vida. Pessoas com fortes laços sociais vivem mais e têm menos problemas de saúde mental. A falta de conexões sociais, incluindo a interação com a natureza, pode aumentar a ansiedade, depressão e sentimento de solidão. Outras descobertas importantes incluem que hábitos saudáveis, como exercícios regulares e dieta equilibrada, são cruciais para uma vida longa e saudável.

Além disso, o estudo conclui que o bem-estar não está relacionado com riqueza material, mas com a qualidade das experiências e relações. Participantes que valorizaram experiências e relacionamentos tiveram maior satisfação com a vida. A busca incessante por bens materiais resulta em estresse financeiro e degradação do meio ambiente, impactando negativamente a qualidade de vida.

Maria, João e Ana ilustram diferentes facetas do estilo de vida contemporâneo. O Estudo de Desenvolvimento Adulto da Universidade de Harvard oferece lições valiosas, mostrando que para melhorar a qualidade de vida, é crucial refletirmos sobre as características, valores e comportamentos que definem nosso modo de viver. Investir em relações sociais, adotar hábitos saudáveis, reduzir o consumismo e cuidar da saúde mental e do meio ambiente são mudanças essenciais para alcançar um bem-estar mais completo e sustentável. Essas práticas estão alinhadas com os princípios descobertos ao longo de décadas de pesquisa. O mundo é um só, e é nossa responsabilidade preservá-lo para as futuras gerações.

Valdiney de Arruda é MBA em ESG (Environmental, Social, and Governance) e Auditor-Fiscal (AFT) do Ministério do Trabalho.

>>> Siga a gente no Twitter e fique bem informado

Comente esta notícia