Cuiabá, 08 de Fevereiro de 2023
logo

05 de Janeiro de 2023, 15h:28 - A | A

GERAL / AÇÃO EMERGENCIAL

Intervenção vai contratar médicos para manter atendimento de saúde em Cuiabá

Contratação em caráter de emergência vai funcionar de forma direta. Ação é emergencial porque a empresa prestadora abandonou o atendimento

DO REPÓRTER MT



O Gabinete de Intervenção Estadual na Saúde de Cuiabá lança até sexta-feira (06) a contratação de médicos para atender a Secretaria Municipal de Saúde e a Empresa Cuiabana de Saúde Pública. O objetivo é manter os atendimentos de saúde nas unidades da capital, como UPAs e policlínicas.

A medida atende determinação do desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Orlando Perri, após manifestação da equipe de intervenção, que comunicou ao magistrado que a empresa Family Medicina e Saúde Ltda abandonou a prestação de serviços em UPAs e policlínicas, sem justificativa ou aviso prévio.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

“A empresa simplesmente disse, do dia para a noite, que deixaria de cumprir o contrato. Não podemos deixar de prestar os serviços essenciais à população, precisamos de mão de obra e por isso estamos trabalhando nessa solução emergencial”, explica o interventor Hugo Fellipe Lima.

De acordo com o interventor, a medida ocorre em caráter de emergência, de forma direta, e terá duração até a conclusão de processo seletivo e concurso público.

Determinação judicial

O Gabinete de Intervenção foi criado por determinação do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, atendendo pedido do Ministério Público Estadual. Assim que intimado da decisão, o governador Mauro Mendes, nomeou como interventor o procurador do Estado Hugo Fellipe Lima, que assumiu a função no dia 29 de dezembro.

O gabinete já constatou a evidência de colapso pessoal e financeiro no setor, e apontou também rombo de R$ 350 milhões nas contas da secretaria e empresa municipais, ausência de dinheiro em caixa, falta de insumos, medicamentos e médicos nas unidades de saúde de Cuiabá.

O período da intervenção, inicialmente, é de 180 dias ou até que seja cumprido os quesitos previstos na representação proposta pelo MP.

Comente esta notícia